Álvaro Santos Pereira: “Achamos aceitável como sociedade que acusados de corrupção vão de recurso em recurso até morrerem de velhos?”

O antigo ministro da Economia e quadro da OCDE deixou críticas por os processos de corrupção não chegarem a julgamento. “Grandes casos de corrupção, mesmos os pequenos, muitas vezes não são julgados”, afirmou.

Álvaro Santos Pereira considera inadmissível que os casos de corrupção em Portugal investigados pela justiça acabem sem condenações, ou que os considerados culpados não sejam efetivamente punidos.

“Achamos aceitável que as pessoas acusadas de corrupção, se forem bastante poderosas ou com bastantes recursos, vão de recursos em recursos até morrerem de velhos. Achamos isso aceitável?”, questionou o antigo ministro em entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios.

O atual diretor da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) destaca que as “percepções de corrupção são muito elevadas”, e que, simultaneamente, os “grandes casos de corrupção, mesmos os pequenos, muitas vezes não são julgados”.

“Estamos preparados para daqui a uns anos que, as pessoas dos grandes casos de corrupção não cumpram minimamente qualquer tipo de pena, se forem acusados de corrupção, porque conseguem através dos seus recursos, quer financeiros quer judiciais, irem de recurso em recurso até morrerem de velhos? Achamos isso aceitável como sociedade?”, reforçou.

“Achamos que somos uma sociedade boa e justa para com os mais pobres, se isto acontece? Eu acho que não”, declarou.

 

Recomendadas

OE2020: ‘coligação negativa’ para descer IVA da eletricidade ganha força e faz tremer Governo

O PSD e PCP estão disponíveis para negociar com o BE. Dizem que um eventual apoio a propostas semelhantes de outros partidos não deve ser “diabolizado” e não seria “nenhuma coligação circunstancial ou negativa”. O BE diz que não desiste da redução do IVA da eletricidade para a taxa mínima, mas deixa em aberto uma eventual negociação com o PSD e PCP. PS garante estar empenhado contra “coligações negativas”.

Iniciativa Liberal responde a “taxa Netflix” do Bloco com fim de todas as taxas de televisão

Proposta de alteração à proposta do Orçamento do Estado para 2020 também defende fim da contribuição audiovisual, que seria a consequência da privatização da RTP. E que na cultura “se deve incentivar a procura, ao invés de se dar subsídios à oferta, muitas vezes de forma pouco transparente”.

Elisa Ferreira: “Europa tem de começar a pensar seriamente em reforçar o orçamento com recursos próprios”

A comissária europeia para a Coesão e Reformas lamentou a proposta da Finlândia de alocar 1,07% do rendimento nacional bruto dos Estados-membros ao orçamento comunitário e admite que seria preciso ter ido “mais longe” mesmo na sugestão da Comissão, que é de 1,11%.
Comentários