Aly John: Jeans são para sempre… e de luxo

A marca portuguesa, sediada em Guimarães, quer fazer com que um simples par de jeans dure gerações. Alemanha e Reino Unido são os países para onde a empresa mais vende. E o futuro passa pela customização online.

Quando vestiu o seu primeiro par de jeans, decorria o ano de 1974. Mas eram poucos os que comercializavam em Portugal. “Os que havia eram básicos, sempre com o mesmo fiting e corte. E eu queria mais. Pedi ajuda a dois tios alfaiates, para que me ajudassem a costurar um par de jeans só meus. Nesse dia apaixonei-me pela arte de fazer calças de ganga, até hoje”, conta Manuel Lamosa, fundador da marca, ao Jornal Económico.

Manuel Lamosa aprendeu as técnicas dos artesãos, viajou pelo mundo e voltou inspirado. “Espanha, França, Inglaterra, Tailândia, Angola, Moçambique, mas foi Itália o que mais me marcou. Lá tive a oportunidade de ver grandes costureiros em ação, isso fez-me crescer como profissional e respeitar ainda mais a arte da costura”.

Em agosto de 2016, apresenta a sua marca de luxo de jeans, a Aly John. A primeira ideia, logo assente, foi a de contrariar a fast fashion. “Os jeans da marca são de valor acrescentado, mas é o valor justo e necessário para conseguirmos confecionar jeans de qualidade. O detalhe, a minuciosa, a precisão de cada costura é algo que se desenvolve com tempo e sem pressas porque nos dedicamos a cada jean de forma individual. Por isso decidi dedicar-me a uma marca de jeans de qualidade, para combater uma lacuna desenvolvida pela industria fast fashion, mas também para dar a oportunidade às consumidoras de terem uma opção de qualidade e ao mesmo tempo sustentável”, diz Manuel Lamosa.

A Aly John surge do entendimento e consenso entre duas gerações de Lamosas: o pai Manuel (que na sua juventude ganhou a alcunha de Aly e o filho João (John). “Com a visão e colaboração do meu filho mais novo, a Aly John começou a ganhar mais estrutura. Começámos a trabalhar na ideia com mais afinco em meados de 2014, definindo qual a estratégia e a melhor forma para lançar este projeto”, explica.

Manuel Lamosa diz partilhar com o filho algumas ideias, colocando-as depois em prática. “É uma boa forma de trabalho em equipa”, diz. E onde vai buscar inspiração?”Um filme, uma música, um livro. Mas inspiramo-nos sobretudo em todas as mulheres, não fosse a Aly John uma marca para mulheres”.

O projeto tem um investimento inicial de 150 mil euros e grande parte da quota foi empregue “no desenvolvimento de protótipos, e na primeira e segunda cápsula, que a propósito será lançada em breve”. Manuel Lamosa refere ainda que o montante abrange também a “contratação de recursos humanos e a comunicação, que são fundamentais para o sucesso da marca. A curto/médio prazo iremos também melhorar e otimizar a plataforma de vendas”, conta.

Para este ano a empresa quer que o “crescimento médio continue a duplicar” já que “em 2016 o crescimento médio de faturação foi de 100% de trimestre para trimestre”, diz.

O mercado internacional é uma prioridade da empresa. “Podemos adiantar que a maior parte das vendas se direciona para Portugal, Alemanha e Reino Unido. Nesse sentido, no próximo mês de julho iremos estar presentes na Ethical Fashion Show Berlim, a fim de estabelecer e consolidar contactos e parceiros internacionais”, adianta o fundador.

O responsável considera que a customização online é o futuro. “É para aí que a marca caminha. Por esse mesmo motivo iremos otimizar a nossa plataforma online, de forma a dar às clientes a possibilidade de darem azo à personalização dos detalhes da sua peça”.

A equipa da Aly John é constituída por sete elementos, sendo que três se dedicam ao trabalho no atelier: Fernanda Lamosa, Conceição Mendes e Filipa Freitas. As restantes, incluindo o CEO e o Criativo, dedicam-se à organização, planeamento e comunicação da marca.

 

 

 

 

 

Ler mais
Recomendadas

Avila Spaces nomeado para melhor coworking do mundo nos Global Startup Awards

A empresa portuguesa Avila Spaces está nomeada para melhor coworking do Mundo

Too Good To Go já ‘salvou’ mais de 350 mil refeições do desperdício em Portugal

Este número de refeições reaproveitadas equivale a quase 900 toneladas de CO2 (dióxido de carbono) que não foram libertados para a atmosfera, caso essas refeições fossem desperdiçadas.

Programa ‘Mais Ajuda’ vai dar mais 333 mil euros à inovação social e apoio a idosos

É a segunda edição do programa. As candidaturas já abriram e decorrem até 28 de fevereiro.
Comentários