Amarante estreita laços económicos com a Suíça

O Embaixador da Suíça em Portugal e o secretário-geral da Câmara de Comércio e Indústria da Suíça estiveram na cidade – de onde milhares de amarantinos partiram para o pequeno país do centro da Europa.

DR

O Embaixador da Suíça em Portugal, André Georges Regli, e o secretário-geceral da Câmara de Comércio e Indústria da Suíça em Portugal, Gregor Zemp, fizeram uma visita à cidade de Amarante, onde foram recebidos pelo presidente da câmara, José Luís Gaspar, e pelo vereador com o pelouro da Promoção do Desenvolvimento Económico, André Costa Magalhães.

A visita prendeu-se essencialmente com questões económicas e realizou-se na sequência do anúncio de um investimento da Fischer Connectors na região de Aboadela – um investimento de 14 milhões de euros que vai criar 400 postos de trabalho.

A multinacional suíça vai avançar com o investimento, que é comparticipado em 6,5 milhões de euros ao abrigo do Portugal 2020. A empresa fabrica conectores de alta tecnologia, e adiantou que a nova unidade deverá empregar cerca de 100 profissionais numa primeira fase.

A nova fábrica pretende “aumentar a capacidade de produção do grupo, otimizando custos” através da gestão duas áreas de produção, na Suíça e em Portugal, indicou a Fischer Connectors na altura da inauguração do investimento.

Por outro lado, as duas entidades debateram também uma questão que tem particularmente a ver com a região: a diáspora dos amarantinos na Suíça. De facto, uma parte substancial do enorme contingente de emigrantes que partem daquela região para o exterior, escolhe a Suíça como ponto de fixação.

E não são raros os casos em que os regressados não escondem o gosto pela escolha inicial: a Suíça continua a ser um porto de abrigo bem mais sossegado e pacífico que os grandes aglomerados alemães ou franceses que normalmente surgem como alternativa.

Recomendadas

Fesap exige respostas do Governo sob pena de avançar com formas de luta

A decisão foi tomada pela comissão permanente da FESAP, que considerou que o Governo tem de responder aos problemas dos trabalhadores da administração, porque a proposta de Orçamento do Estado para 2022 não o faz.

Comissão Europeia adota programa de trabalhos para o próximo ano com 42 novas iniciativas

De um novo instrumento de emergência do mercado único, à criação de uma iniciativa relativa a um rendimento mínimo adequado, passando por uma nova estratégia para um compromisso energético internacional, entre outros objetivos, a Comissão Europeia prevê 42 novas iniciativas estratégicas para o próximo ano.

Bruxelas reabre debate sobre revisão das regras orçamentais

Instituições europeias, autoridades nacionais, parceiros sociais e universidades podem apresentar as contribuições até 31 de dezembro deste ano. Comissão Europeia dar orientações aos Estados-membros no primeiro trimestre de 2022.
Comentários