Premium‘Amazon da banca’ vai contratar 500 pessoas em Portugal

EUA são o próximo mercado onde o unicórnio Revolut, que pretende crescer cinco vezes ao ano, quer entrar. Nikolay Storonsky, CEO e fundador da empresa, vê Portugal como o melhor país para abrir um centro de apoio ao cliente e expandir nas línguas.

Nikolay Storonsky abandonou o trading e a banca de investimento tradicional para criar a que viria a ser uma das inovadoras fintech do mundo. Em menos de três anos, a Revolut entrou no grupo dos unicórnios (com uma avaliação de 1,7 mil milhões de dólares, cerca de 1,5 mil milhões de euros ao câmbio atual) e marcou uma posição como alternativa digital à banca, incluindo serviços como débitos, pagamentos diretos, câmbio ou compra de criptomoedas. O fundador e CEO, que foi orador na Web Summit, explicou que a dormência criou uma oportunidade de crescimento.

A Revolut começou com um serviço e tem vindo a expandir a oferta. O objetivo é oferecer todos os serviços que podem ser encontrados na banca tradicional?

Exatamente. Começámos como câmbio e entrámos em outras seções de negócios, como crédito, criptomoedas, seguros ou contas empresariais. O nosso objetivo é oferecer todos os produtos da base, mas também algo diferente: produtos que os bancos não oferecem. Por exemplo, estamos agora a construir lounges e os utilizadores regulares poderão obter passes de salas nos aeroportos.

Quais são as principais diferenças e vantagens do serviço da Revolut face os bancos tradicionais?

Existem muitas coisas. É melhor em termos de interface e é mais barato. Fornecemos todos os serviços a partir de um único interface, enquanto os bancos têm tantos sistemas em diferentes locais que não são fáceis de usar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Recomendadas

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.

BNI Europa estabelece parceria com empresa alemã para concretizar a implementação da Diretiva de Serviços de Pagamento

Esta cooperação é um marco para o futuro desenvolvimento do Open Banking na Europa e o próximo passo no crescimento do Banco BNI Europa, diz o banco.

Natixis registou resultado líquido de 1,6 mil milhões de euros em 2018

A Natixis alcançou 12,0% de RoTE (Return on tangible equity) subjacente (13,9% ajustado) face a 12,3% em 2017, anuncia o banco francês. O RoE (return-on-equity, rendimento sobre o capital) subjacente dos negócios atingiu 13,7% (15,1% ajustado), face a 13,8% em 2017.
Comentários