Amazónia: Macron acusa Bolsonaro de mentir e diz-se contra o acordo UE-Mercosul

O Presidente de França, Emmanuel Macron, acusou esta sexta-feira o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de mentir em matéria de compromissos ambientais e anunciou que, nestas condições, França vai votar contra o acordo de comércio livre UE-Mercosul.

“Tendo em conta a atitude do Brasil nas últimas semanas, o Presidente da República não pode se não constatar que o Presidente Bolsonaro lhe mentiu na Cimeira de Osaka”, afirmou a presidência francesa, referindo-se à Cimeira do G20 que se realizou no final de junho.

“O Presidente Bolsonaro decidiu não respeitar os compromissos ambientais e não se empenhar em matéria de biodiversidade. Nestas condições, França opõe-se ao acordo com o Mercosul tal como está”, acrescentou.

Emmanuel Macron manifestou na quinta-feira preocupação com os fogos florestais que estão a devastar a Amazónia, a maior floresta tropical do planeta ,evocando uma “crise internacional” e pedindo aos países industrializados do G7 “para falarem desta emergência” na cimeira que os reúne este fim de semana em Biarritz (sudoeste de França).

Jair Bolsonaro, respondeu acusando o homólogo francês de ter “uma mentalidade colonialista descabida” ao “instrumentalizar” o assunto propondo que “assuntos amazónicos sejam discutidos no G7, sem a participação dos países da região”.

O acordo de livre comércio entre a União Europeia (UE) e o Mercado Comum do Sul (Mercosul), integrado pelo Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, foi fechado a 28 de junho, depois de 20 anos de negociações.

O pacto abrange um universo de 740 milhões de consumidores, que representam um quarto da riqueza mundial.

A Irlanda ameaçou também hoje votar contra o acordo comercial se o Brasil não tomar medidas para proteger a floresta amazónica.

“Não há qualquer forma de a Irlanda votar a favor do acordo de comércio livre entre a UE e o Mercosul se o Brasil não respeitar os seus compromissos ambientais”, afirmou o primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar.

“Estou muito preocupado com os níveis recorde de destruição pelo fogo da floresta amazónica este ano”, acrescentou, numa nota à agência France-Presse.

Numa entrevista à agência EFE hoje divulgada, o embaixador da UE em Brasília, Ignácio Ybáñez, destacou o empenho do Brasil na aplicação do acordo, mas recordou a Bolsonaro a “aposta clara” do acordo no cumprimento do acordo de Paris sobre alterações climáticas.

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro, os incêndios no Brasil aumentaram 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de agosto, sendo a Amazónia a região mais afetada.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo, cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados, e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta.

Segundo o INPE, a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em julho, em relação ao mesmo mês de 2018.

Ler mais
Relacionadas

Amazónia: Bruxelas está “profundamente preocupada” e apoia debate pedido por Macron

A Comissão Europeia mostrou-se esta sexta-feira “profundamente preocupada” com os incêndios na floresta da Amazónia, no Brasil, manifestando apoio ao pedido feito pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, para debater esta situação, o que já motivou críticas do governo brasileiro.

Amazónia: Bolsonaro acusa Macron de ter “mentalidade colonialista”

O presidente do Brasil criticou o seu homólogo francês que na quinta-feira lançou o apelo para que os incêndios na Amazónia sejam debatidos na cimeira do G7, que se realiza este fim de semana em França, por se tratarem de “uma crise internacional”.

Amazónia: Argentina e Chile oferecem ajuda ao Brasil e Bolívia para combater fogos

Os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Chile, Sebastián Piñera, disseram, através das redes sociais, que telefonaram para o homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro, oferecendo ajuda especializada para combater os incêndios na Amazónia.
Recomendadas

Greta Thunberg e dezenas de milhares de jovens paralisam Hamburgo

A jovem sueca liderou a enorme manifestação que paralisou o centro da cidade durante horas, levando um cartaz onde se lia “Salvar o clima, salvar Hamburgo”.

Quercus alerta para riscos de confetis e glitter no ambiente no dia de Carnaval

Os confetis de plástico e os glitter são as principais preocupações para associação ambientalista na noite de Carnaval. Quercus apela para que se opte por opções biodegradáveis ou feitas de papel.

5,3 mil milhões de euros. Portugal a meio da tabela europeia na cobrança de impostos ambientais

No total dos 27 Estados-membros registou-se um encaixe total de 324,6 mil milhões de euros com impostos ambientais, mais 3% face a 2017 e um valor que representa 2,4% do PIB.
Comentários