América Latina vai ser a maior fonte de receitas da Mota-Engil

México vai ser o mercado mais importante para a construtora já em 2017. Grupo estreou-se no Chile, Paraguai e República Dominicana.

Mario Proenca/Bloomberg

A região da América Latina vai ser o grande mealheiro da Mota-Engil a partir de 2017, assumindo-se como a principal fonte de re­ceitas e destronando África dessa posição, que ocupava há vários anos, desde que Portugal deixou de ser um mercado relevante para o grupo no setor da construção civil e obras públicas. “África vai perder este ano a liderança na contribuição para o volume de negócios para a América Latina. E, em 2017, o México vai ser o maior país onde temos atividade”, disse, há cerca de duas semanas, o presidente da cons­trutora, António Mota, no congresso dos ROC – Revisores Oficiais de Contas, que decorreu em Lisboa.

A grande aposta da Mota-Engil na internacionalização vem desde a origem do grupo, mas re­forçou-se nos últimos dez anos, com a crise prolongada da construção em Portugal. António Mota exemplificou como se inverteu o estado de coisas: em 2003, a Mota-Engil obtinha 78% da faturação em Portugal; em 2015, os mercados externos valeram 74% do volume de negócios do grupo.

A par da reduzida expressão do mercado interno, a desaceleração de economias como a de Angola, uma das mais importantes na frente internacional da Mota-Engil, também explica por que é que a América Latina, com o México à cabeça, vai ser a principal área geográfica de negócios do grupo a partir do próximo ano. E o grupo está a entrar em novos mercados na região.

Só nos últimos meses, depois de encerrado o primeiro semestre do ano, a Mota-Engil já garantiu cerca de 500 milhões de euros em diversos mercados latino-americanos. A 12 de julho, anunciou ao mercado a adjudicação de um contrato no segmento de obras rodoviárias, no valor de cerca de 100 milhões de euros. A 28 do mesmo mês, o grupo português garantiu dois contratos-quadro na Colômbia, para o de­senvolvimento de diversos projetos de infraestruturas educativas, no valor conjunto de cerca de 280 milhões de euros.

Já depois disso, mesmo sem ter comunicado esses factos ao mer­cado, a Mota-Engil assegurou as primeiras adjudicações em três novos mercados da América Latina: Chile, República Dominicana e Paraguai.

Segundo o último número da Sinergia, revista interna da Mota-Engil referente a agosto, a que o Jornal Económico teve acesso, no Chile, “onde o grupo tem um escritório de representação comercial para acompanhar as maiores empresas mineiras na região, a Mota-Engil ganhou o primeiro contrato para reparação no porto de Antofagasta”, num contrato de 5,8 milhões de euros.

Na República Dominicana, o grupo de António Mota vai participar no projeto Ciudad Juan Bosch, para a construção de 1.704 apartamentos, num valor de 41,8 milhões de euros e um prazo de construção de 18 meses.

A terceira estreia da Mota-Engil na América Latina nos últimos meses ocorreu no Paraguai, com um contrato de 45,6 milhões de euros na capital, Assunção, adjudicado pelo ministério lo­cal de Obras Públicas e Comunicações, para a conceção e construção do sistema de transporte público de passageiros entre Assunção e San Lorenzo.

Ler mais
Recomendadas

PremiumOrçamento ignora mercados de capitais, alertam empresas e investidores

Governo prometeu pôr poupanças dos portugueses ao serviço da economia nacional, mas acabou por não incluir nenhuma medida de apoio ao mercado de capitais na proposta entregue ao Parlamento.

PremiumRoger Tamraz desiste do EuroBic se não ficar maioritário

Acordo com Isabel dos Santos pode cair se investidor libanês não chegar a acordo com outros acionistas do EuroBic.

PremiumIsabel dos Santos contrata Marco António Costa

Ex-secretário de Estado é o advogado que representa a empresária angolana no processo de venda da sua posição no EuroBic a empresário libanês. Advogado tem mantido contactos com o supervisor.
Comentários