American Express vai abandonar mercado português

Amex confirma ao Jornal Económico que vai descontinuar as emissões de cartões por bancos europeus. Em Portugal, decisão afeta BCP e Novo Banco.

A American Express vai descontinuar os acordos que mantém com bancos europeus para a emissão de cartões de crédito, ao longo dos próximos dois anos, devido às alterações regulatórias em curso, confirmou ao Jornal Económico uma fonte oficial da empresa. Em Portugal, a Amex tem acordos com instituições como o Millennium bcp e o Novo Banco.

No caso do BCP, os acordos são de emissão e de acquiring, enquanto no caso do Novo Banco incidem apenas sobre a emissão de cartões. Isto significa que os dois bancos portugueses deverão deixar de poder emitir cartões da American Express, mas os cartões emitidos no estrangeiro deverão, em princípio, continuar a ser utilizados em território português.

“A American Express está comprometida com Portugal e os seus cartões são aceites em todo o país. Também oferecemos serviços de pagamentos para empresas em Portugal”, disse uma porta-voz da Amex, quando questionada pelo Jornal Económico.

“No entanto, em resultado da regulação, a American Express vai descontinuar as suas relações de licenciamento bancário no Espaço Económico Europeu, ao longo dos próximos um a dois anos”, acrescentou a mesma fonte oficial.
Adiantou que “quaisquer alterações nas parcerias com bancos na área de cartões serão comunicadas [ao mercado] de forma clara e atempada”.

Ao que o Jornal Económico apurou junto de fontes do setor financeiro, a decisão da Amex de se retirar de Portugal e de outros mercados europeus explica-se com o facto de as alterações regulatórias em curso tornarem essas operações demasiado onerosas. Além disso, em Portugal a Amex enfrenta a dura concorrência da Visa e da Mastercard, que dominam o mercado nacional.

A American Express entrou em Portugal em 1995, com um acordo com o BCP para a emissão de cartões. O acordo com o banco liderado por Nuno Amado prevê também que o BCP atue como acquirer, ou adquirente, em exclusividade para Portugal. O acquirer é a entidade que compra os créditos dos comerciantes que aceitam cartões de crédito e de débito de uma determinada marca.

Ler mais
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários