ANA diz que encerramento noturno do aeroporto de Lisboa termina às 5h30m

A ANA confirma que as obras vai arrancar em janeiro e se prolongarão até ao final de junho do próximo ano, para a criação de duas saídas rápidas de pista, “com vista à melhoria da eficiência da operação, obtendo maior fluidez na circulação dos aviões, redução dos percursos e das emissões de CO2”.

Rafael Marchante/Reuters

A ANA, concessionária dos aeroportos nacionais detida pelo grupo francês Vinci, esclareceu hoje, dia 19 de novembro, em comunicado, que o encerramento do aeroporto Humberto Delgado para obras, previsto para o período entre janeiro e junho do próximo ano, vai ocorrer todos os dias entre as 23h30m e as 05h30m da manhã do dia seguinte, e não entre as 23h30m e as 06h30m da manhã seguinte, como havia sido anteriormente divulgado.

“A ANA Aeroportos de Portugal vai iniciar, em janeiro, as obras para a criação de duas saídas rápidas de pista no aeroporto Humberto Delgado, com vista à melhoria da eficiência da operação, obtendo maior fluidez na circulação dos aviões, redução dos percursos e das emissões de CO2”, garante a concessionária no referido comunicado.

De acordo com a nota informativa, “esta intervenção, que ocorre apenas durante o período noturno, implica o encerramento da pista para o horário previsto entre as 23h30 e as 5h30, a partir de 6 de janeiro e até ao final de junho, tendo a ANA comunicado esta informação, às companhias aéreas, nos prazos definidos a nível internacional para o processo de alocação de ‘slots'”.

A informação de que o aeroporto da Portela vai encerrar no período noturno entre janeiro e junho do próximo ano foi revelada publicamente esta manhã pelo CEO da easyJet Portugal, José Lopes.

Relacionadas

Encerramento noturno da Portela vai agravar pressão sobre o aeroporto e o turismo

As obras para expansão de capacidade do aeroporto Humberto Delgado deverão iniciar-se no início de janeiro e obrigarão ao encerramento no período noturno, entre as 23h30m e as 06h30m.
Recomendadas

Exportações de componentes automóveis mantêm quebra acentuada

Em comunicado enviado à agência Lusa, a AFIA sublinha que os efeitos da pandemia de covid-19 continuam a ser notórios, notando que desde 2009 não se verificava um mês de maio com valores tão baixos nas exportações de componentes automóveis, a registarem uma queda de mais de metade, para 388 milhões de euros.

Tesla pode entrar no S&P 500, estima Reuters

A empresa gerida por Musk conta com uma capitalização de mercado de 250 mil milhões de dólares, maior do que 95% das empresas já pertencentes ao índice norte-americano.

ANA – Aeroportos de Portugal avança com plano de “saídas voluntárias”

“Perante uma crise que sabemos agora ser duradoura, é também necessário, desde já, um redimensionamento das nossas equipas”, referiu Thierry Ligonnière, num ‘email’, enviado aos colaboradores.
Comentários