ANA integra grupo de trabalho que estuda problemas da operação aérea da Madeira

O grupo de trabalho foi criado em dezembro, com uma duração prevista de seis meses. Com a adição da ANA passam a existir oito entidades, sendo que três são da Madeira (Governo Regional, Câmara de Santa Cruz, e Câmara do Porto Santo).

Foto ANA

A ANA – Aeroportos de Portugal passa a integrar o grupo de trabalho que tem como função estudar os problemas da operação aérea da Madeira, conforme indica um despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República.

O grupo de trabalho foi criado a 15 de dezembro, com uma duração prevista de seis meses, que poderiam ser prolongados por mais seis meses.

Este grupo de trabalho já integra: Frederico Pinheiro, adjunto do Gabinete do Ministro das Infraestruturas e da Habitação, por João Brilhante e, em substituição, o Dr. Vítor Oliveira Martins, técnico especialista e adjunto do Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e das Comunicações.

Do grupo consta ainda um representante do Governo da Região Autónoma da Madeira; um representante da Navegação Aérea de Portugal – NAV Portugal, E. P. E.; um representante da ANAC – Autoridade Nacional da Aviação Civil; um representante da Câmara Municipal de Santa Cruz; e um representante da Câmara Municipal de Porto Santo, conforme definiu despacho de dezembro, publicado em Diário da República.

Entre os objetivos definidos para este grupo de trabalho está a identificação dos “principais constrangimentos da operação aeroportuária no arquipélago da Madeira, relacionados com os ventos e a implicação que têm na operação aeroportuária”; a identificação de “possíveis soluções, técnica e economicamente viáveis, para o que elaborará um relatório que sirva de base para a resolução dos problemas identificados”, sendo que a solução deverá integra preferencialmente as infraestruturas e recursos regionais.

Recomendadas

Saiba o que é a moratória pública e como pode usá-la em tempos de pandemia

A moratória pública/legal direciona-se a pessoas singulares que apresentem crédito habitação permanente (ou seja, não é válido, por exemplo, para casas de férias), crédito hipotecário ou créditos relacionados com despesas de consumo relacionadas com a educação e formação, fazendo com que seja suspenso o pagamento do capital, juros, comissões e outros encargos por um determinado tempo, no máximo de 9 meses.

Açores com 11 casos positivos e 11 recuperados de covid-19

Os Açores regista 66 casos ativos de coronavírus.

Funchal aprova apoios de 300 mil euros para a cultura

O apoio inclui 38 entidades, entre associativismo cultural e atividades culturais de interesse municipal.
Comentários