Ana Mendes Godinho: “É inaceitável termos situações de trabalho temporário que duram décadas”

Para a ministra do Trabalho, “ficou evidentemente como têm de haver mecanismos mais fortes para combater” a precariedade, nomeadamente p reforço das competências da Autoridade para as Condições do Trabalho, para identificar fenómenos de informalidade e precariedade.

Mário Cruz/Lusa

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, defendeu esta terça-feira a necessidade do maior reforço da regulação do trabalho temporário e do combate à precariedade, entre as principais prioridades para o futuro do trabalho.

“É inaceitável termos situações de trabalho temporário que duram décadas. Como sociedade é evidente para todos que encontrar formas de garantir que isto não aconteça”, disse esta terça-feira durante a apresentação do “Livro Verde sobre o futuro do trabalho”.

A governante justificou que “a pandemia mostrou como continuamos a ter dois mundos paralelos no mercado de trabalho”, considerando que existem pessoas “excluídas, resultado de fenómenos de informalidade ou precariedade, que ficaram a descoberto durante a pandemia”.

“Isso mostrou como temos a obrigação e diria a legitimidade acrescida neste momento para promover esta agenda do trabalho digno”, afirmou, defendendo que tal passa quer pelo combate à precariedade, quer pela defesa dos rendimentos.

Para Ana Mendes Godinho, “ficou evidentemente como têm de haver mecanismos mais fortes para combater” a precariedade, nomeadamente o reforço das competências da Autoridade para as Condições do Trabalho para identificar fenómenos de informalidade e precariedade e ter capacidade de ação, mas também combatendo o recurso abusivo ao trabalho temporário.

Para a ministra do Trabalho, é preciso “evitar abusos em figuras contratuais” que têm especial incidência nos jovens e “que têm que ter consequências gravosas”, assim como apostar num maior reforço da regulação do trabalho temporário.

Recomendadas

Museus e monumentos nacionais perderam 68,7% de visitantes no primeiro semestre

A descida, segundo a DGPC, revela a dimensão do impacto da pandemia de covid-19 no país, já que, entre 01 de janeiro e 13 de março de 2020, o número de entradas registadas deu-se ainda num quadro de livre circulação de visitantes portugueses e estrangeiros.

Tempo médio de atribuição de pensões pela CGA diminuiu mas continua sem cumprir lei

No global, quase metade das pensões de reforma (46%) foram atribuídas num período superior a 120 dias. Ao longo do triénio 2017-2019, o TdC revela que foram adotadas “várias iniciativas de melhoria do serviço prestado e diminuição dos tempos médios na atribuição de pensões”, em concreto no que toca aos sistemas de informação, automatização de processos e priorização das áreas de atuação.

Jerónimo Martins aumenta vendas no primeiro semestre em 6,3%, para 9,9 mil milhões de euros

O EBITDA consolidado do grupo retalhista nacional cresceu 12,6% na primeira metade deste ano
Comentários