André Ventura demarca-se da parada KKK junto à sede SOS Racismo

O tweet surge depois da notícia avançada pelo “Expresso” que diz foram abertos dois inquéritos pelo Ministério Público sobre a “parada Ku Klux Klan” e as possíveis ligações entre membros do Chega ao grupo neonazi.

O deputado único do Chega negou ter ligações à parada Ku Klux Klan (KKK), que aconteceu no início deste mês, junto à sede da SOS Racismo em Lisboa e que foi reivindicada pela Resistência Nacional.

Na rede social Twitter, André Ventura escreveu, este sábado, que “quando fazemos manifestações, damos a cara. E somos milhares!”.

O tweet surge depois da notícia avançada pelo “Expresso” que diz que as ameaças enviadas às 10 deputadas, ativistas e dirigentes associativos vão ser investigadas pela Polícia Judiciária como um crime terrorista e que existem de momento dois inquéritos abertos pelo Ministério Público sobre esta matéria: um incide sobre os e-mails ameaçadores e o outro investiga a “parada Ku Klux Klan” e pretende apurar as possíveis ligações entre membros do Chega ao grupo neonazi. Os dois inquéritos podem vir a juntar-se num, porque “as ameaças dificilmente estarão dissociadas da concentração à porta da sede do SOS Racismo”, admite uma fonte judicial ao jornal “Expresso”.

Enquanto não se apuram evidências, seis das 10 vítimas encontram-se sob proteção do Corpo de Segurança Pessoal da PSP.

Este grupo de dez pessoas, que inclui o dirigente da associação SOS Racismo Mamadu Bá e as deputadas Joacine Katar Moreira, Mariana Mortágua e Beatriz Gomes, recebeu uma ameaça por email a intimá-las a abandonar o “território nacional” em 48 horas e a rescindir “as suas funções políticas”. As ameaças surgem dias depois da “parada Ku Klux Klan” junto à sede da SOS Racismo em Lisboa, reivindicada pela Resistência Nacional.

Ler mais
Relacionadas

Racismo. Ameaças por e-mail a deputadas e ativistas vão ser investigadas como crime terrorista

Investigação está a ser tratada com máxima prioridade pela Polícia Judiciária que admite ao jornal “Expresso” que a tarefa será “muito difícil”.
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários