Andrzej Duda mantém presidência da Polónia em eleição renhida

A Comissão Nacional Eleitoral revelou que Andrzej Duda foi reeleito presidente com 51,2% dos votos, a vitória menos expressiva na Polónia desde 1989.

O atual presidente da Polónia, Andrzej Duda, renovou o mandato enquanto presidente e venceu por pouco o rival Rafal Trzaskowski na votação presidencial que decorreu no domingo, dia 12 de julho.

A Comissão Nacional Eleitoral revelou, a 13 de julho, que Andrzej Duda foi eleito novamente presidente com 51,2% dos votos, a vitória menos expressiva na Polónia desde 1989. A votação contou com a presença de 68,2% da população.

Durante o período de campanha eleitoral, Trzaskowski surgiu como o rosto da mudança no país e Duda comprometeu-se a apoiar a agenda legislativa do partido Lei e Justiça (PiS). Em meados de junho, Andrzej Duda apontou que a “ideologia LGBT” era mais destrutiva que a “doutrinação comunista”, assumiu-se contra o aborto e garantiu que iria apoiar os valores da família “tradicional”.

Além das críticas à comunidade LGBT, Duda, presidente da Polónia desde 2015, também foi acusado de colocar a política à frente da saúde pública quando tentou que as eleições decorressem em maio, no auge da pandemia de Covid-19, quando as sondagens apontavam para estivesse à frente.

Apesar da vitória de Andrzej Duda é possível que existam disputas judiciais pelo resultado aproximado e pela especulação de que existiram algumas irregularidades durante a votação.

A Plataforma Cívica, oposição de centro-direita que apoiou Trzaskowski,  referiu à Reuters que estava a recolher informações sobre as “irregularidades” na votação, que inclui relatos de polacos a quem não foi dada a oportunidade de votar porque não receberem os itens necessários.

Já uma analista consultada pela agência noticiosa AFP garante que a luta política não ficou por aqui. “Acho que certamente haverá protestos eleitorais e que toda a questão terminará no tribunal”, assegurou a cientista política da Universidade de Varsóvia Anna Materska-Sosnowska.

 

Ler mais
Relacionadas

Possível vacina contra a Covid-19 anima Wall Street

Esta segunda-feira, a FDA, a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, deu a designação “via rápida” a duas vacinas experimentais desenvolvidas em conjunto pela empresa alemã de biotecnologia BionTech e pela pela gigante farmacêutica norte-americana Pfizer

Grécia reabre a voos do Reino Unido mas exige teste negativo

A Grécia vai reabrir os seus aeroportos a voos do Reino Unido a partir de quarta-feira, mas exigirá aos passageiros a apresentação de um teste negativo ao novo coronavírus realizado até três dias antes.

Catalunha. Juiz bloqueia ordem de confinamento obrigatório decretado pelo governo regional

Em causa está a situação na cidade de Lleida e sete outros municípios da região de Segrià que têm registado um aumento do número de casos por Covid-19. O presidente da região autónoma desafiou o juiz e pediu aos 200 mil habitantes de Segrià “que sigam as recomendações do Governo da Catalunha”.
Recomendadas

França pede à UE que sancione os EUA por causa de disputa comercial que envolve Airbus

“Uma coisa deve ficar muito clara para todos. Se as sanções dos EUA forem mantidas e não chegarmos a um acordo global entre os Estados Unidos e a UE, o que queremos e solicitamos novamente à UE é que se deve preparar para responder com sanções também “, disse um governante francês.

Kamala Harris estreia-se em campanha: “Temos um presidente que se preocupa mais consigo do que com as pessoas”

Além das criticas a Donald Trump, Kamala Harris destacou que Joe Biden é “a única pessoa que serviu ao lado do primeiro presidente negro, e escolheu a primeira mulher negra como sua companheira”

Estados Unidos querem assinar acordo com a Eslovénia para excluir Huawei do desenvolvimento do 5G

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Eslovénia anunciou que o ministro Anze Logar vai assinar uma declaração conjunta com o secretário de Estado norte-americano “sobre a segurança da rede 5G”.
Comentários