Angela Merkel: “Cerca de 60 a 70% dos alemães ficarão infetados com o coronavírus”

O ministro da Saúde, Jens Spahn, confirmou o cenário previsto pela chanceler de que a maioria da população alemã terá o Covid-19 – isto caso não seja possível criar e administrar uma vacina até lá.

A chanceler alemã alertou esta segunda-feira que até 58 milhões de pessoas na Alemanha poderão contrair o novo coronavírus (Covid-19). O aviso foi lançado durante uma reunião do seu partido – CDU (União Democrática Cristã) – e motivou o silêncio do grupo parlamentar, escreve o jornal local “Bild”.

“Cerca de 60 a 70% dos alemães ficarão infetados com o coronavírus”, disse Angela Merkel. Para a dirigente política alemã, com este vírus o país está a “enfrentar um desafio” que nunca tive antes. “Depende efetivamente de nós”, refere.

Segundo Angela Merkel, o ministro da Saúde, Jens Spahn, “carrega o fardo principal”. “Ele fá-lo muito bem, o que também é um incentivo para o futuro próximo, porque a crise ainda não terminou”, afirmou nesse encontro da CDU. Aliás, Jens Spahn confirmou o cenário previsto pela chanceler de que a maioria da população alemã terá o novo coronavírus – isto caso não seja possível criar e administrar uma vacina até lá.

A Alemanha contabiliza neste momento duas mortes pelo surto que nasceu em Wuhan e já infetou mais de 117 mil pessoas em todo o mundo. Uma mulher de 89 anos faleceu em Essen, na Renânia do Norte-Vestfália e a outra morte ocorreu na mesma região, em Heinsberg, uma vila próxima da Holanda.

Recomendadas

Marisa Matias fecha campanha com apelos a “vermelho em Belém”: “a solidariedade vai vencer o ódio”

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda recordou a defesa que tem feito dos serviços públicos, especialmente do SNS, durante uma crise que é “o jogo das nossas vidas”, como defende. O ódio e o medo que alguns candidatos tentaram usar durante a campanha também mereceu fortes reparos.

Covid-19: Variante da África do Sul já foi identificada em Portugal

O caso identificado em Portugal, através da sequenciação genómica, foi já reportado pelo INSA às autoridades competentes de saúde.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.
Comentários