Angola produz 1,5 milhões de barris de petróleo por dia mas está com falta de combustíveis

O Presidente da República angolano aguarda para esta terça-feira, 7 de maio, um relatório detalhado sobre a falta de combustíveis que se regista no país, com a vista a rápida regularização do fornecimento. Sonangol diz que a falta de divisas atrasou a importação de produtos refinados, mas que a situação estará resolvida nas “próximas horas”.

A escassez de combustível provocou este fim-de-semana longas filas de espera junto de praticamente todos os postos de combustíveis em Angola, e que fez disparar o preço do litro da gasolina no mercado paralelo, levou o Presidente da República angolano, João Lourenço, a pedir um relatório detalhado sobre a falta de combustíveis que se regista no país, com a vista a rápida regularização do fornecimento.

A informação é avançada pelo Jornal de Angola que dá também conta de que a  Sonangol tem desde sábado dois navios da sua frota de importação atracados na Base da Sonils, no Porto de Luanda, a descarregarem combustíveis “suficientes para o consumo de um mês”.

Angola é um país produtor de petróleo, com a produção diária a atingir uma média de 1,505 milhões de barris de petróleo de crude em 2018, segundo dados da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), citados pela Lusa.

Segundo o Jornal de Angola noticia nesta terça-feira, 7 de maio, o Chefe de Estado angolano convocou, ao Palácio Presidencial, os ministros dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, Energia e Águas, João Baptista Borges, e Finanças, Archer Mangueira, bem como o governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, e o presidente da petrolífera Sonangol, Carlos Saturnino. O Presidente pediu esclarecimentos precisos sobre a falta de combustíveis no país, solicitando um relatório  “detalhado” que deverá ser entregue nesta terça-feira, 7 de maio.

A Sonangol admitiu no sábado que a dificuldade no acesso às divisas para a cobertura dos custos com a importação de produtos refinados é um dos fatores da escassez de combustíveis. Em comunicado, a petrolífera angolana recorda que procede à importação de derivados mediante pagamento em divisas, para a venda ao mercado nacional em kwanzas.

À dificuldade de acesso às dividas soma-se ainda a elevada dívida dos principais clientes do segmento industrial, que consome cerca de 40% da totalidade do combustível, cuja falta de pagamento acaba por condicionar também a disponibilidade de kwanzas para a aquisição de moeda estrangeira.

Em consequência, no passado fim-de-semana, o preço do litro da gasolina disparou para 500 kwanzas (1,36 euros), contra os habituais 160 kwanzas (0,43 euros).

O Jornal de Angola noticia também que nesta segunda-feira, 6 de maio, foi realizada uma reunião entre a Sonangol e o BNA, depois de sábado a companhia ter alegado a falta de divisas de importar combustíveis. Num comunicado emitido a 4 de maio para explicar os problemas de abastecimento, a petrolífera angolana evoca “dificuldades no acesso a divisas para a cobertura dos custos para a importação de refinados”.

A Sonangol tem desde sábado dois navios da sua frota de importação atracados na Base da Sonils, no Porto de Luanda, a descarregarem combustíveis “suficientes para o consumo de um mês”, avança o Jornal de Angola, citando  uma fonte da companhia que prevê a regularização do fornecimento “nas próximas horas”.

No quadro dos procedimentos, o combustível é descarregado para uma central de armazenamento e depois transportado para os postos de abastecimento, com o que a Sonangol prevê que, até esta quarta-feira, 8 de maio,  os fornecimentos estejam regularizados.

Angola produz na Refinaria de Luanda, a única que possui, apenas 20% dos derivados de petróleo que consome, importando os restantes 80%. De acordo com números divulgados em abril, no primeiro trimestre deste ano, a Sonangol gastou 221,4 milhões de dólares a importar produtos derivados do petróleo para suprir a procura do seu mercado interno, a uma média de 73,8 milhões de dólares por mês, o que deve estar próximo dos valores da importação que está a ser descarregada na Base da Sonils.

Ler mais
Recomendadas

Holding da família Queiroz Pereira reforça na Semapa

A Sodim (holding que controla a Semapa) comprou fora de bolsa mais 1.017% da dona da Navigator e da Secil.

TAP promete recuperar “tão rapidamente quanto possível” os voos a partir do Porto

A empresa assegura ainda que “irá continuar este processo de diálogo com todas as regiões portuguesas”.

Governo prepara “machadada letal no layoff simplificado”, dizem confederações patronais

Em comunicado a CAP, CIP, CTP e CPP reforçam a ideia de que “é preferível apoiar emprego a pagar subsídios de desemprego”.
Comentários