Angola quer ajuda de todos os países e instituições no combate ao crime financeiro

O ministro das Relações Exteriores de Angola disse, em Lisboa, que o país africano quer “a ajuda de todos os países e governos e instituições” no âmbito do repatriamento de capitais, desvalorizando a nacionalidade do detentor dos capitais.

Manuel de Almeida

O ministro das Relações Exteriores de Angola disse que o país africano quer “a ajuda de todos os países e governos e instituições” no âmbito do repatriamento de capitais, desvalorizando a nacionalidade do detentor dos capitais.

“O que procuramos é o repatriamento de capitais, independentemente da nacionalidade de quem os tenha, desde que sejam comprovadamente angolanos e ilegalmente transferidos”, disse Manuel Augusto numa conferência de imprensa esta manhã em Lisboa, explicando: “Estamos mais à procura da bola e não tanto do jogador”.

O repatriamento de capitais, admitiu, “é um assunto interno da soberania angolana”, um país que, nesta matéria, “começa atrasado, mas vai começar”, garantiu o governante.

O combate ao crime financeiro “é um desafio permanente de todos os governos, e Angola não quer ser excepção”, disse Manuel Augusto, anunciado que na quinta-feira – no âmbito da visita oficial do Presidente angolano, João Lourenço, a Portugal – será assinado um acordo entre o Ministério do Interior de Angola e o Ministério da Justiça português, “que entre outras coisas, trata exactamente da cooperação no domínio da troca de informações, da investigação, em matérias como o branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo”.

Angola, disse, quer “a ajuda de todos os países e governos e instituições que possam contribuir para atingir os objectivos”. Manuel Augusto apontou o caso do sistema financeiro, onde a proximidade entre os dois países pode ser uma vantagem no combate à fuga ilícita de capitais de Angola.

Relacionadas

António Costa: “É importante que franqueza transparência se mantenham com Angola”

A visita oficial de João Lourenço, que se inicia hoje e se prolonga até sábado, “restabelece a normalidade de uma relação que é muito frutuosa de parte a parte e que tem de continuar e desejavelmente deve prosseguir sendo aprofundada”, afirmou o primeiro-ministro, citando o próprio presidente angolano.

Angola vai “liberalizar totalmente” a importação de derivados de petróleo

Angola vai proceder, em breve, à “liberalização total” do mercado de importação de derivados de petróleo, abrindo-o às empresas petrolíferas interessadas no negócio, indicou o governo angolano, citado pela agência noticiosa Angop.
Recomendadas

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.

ASAE apanha talhos a vender carne falsificada e estragada

As principais infrações registadas foram o abate clandestino, a venda de produtos alimentares estragados ou falsificados e a fraude sobre mercadorias, tanto em talhos de rua como em superfícies comerciais.

Medina diz que verdadeiro debate é “se vamos ou não ser capazes de concertar a União Económica e Monetária”

Fernando Medina referiu este sábado que a questão central na Europa é que “o regime monetário não esta resolvido mais de dez anos passados sobre a crise”.
Comentários