Angola quer que OPEP defina “preço justo” para petróleo

Antes de deixar Luanda para a capital austríaca, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos angolano, Diamantino de Azevedo, informou a imprensa que espera, na reunião, se encontrem soluções para o preço do barril de petróleo que satisfaça os produtores e os consumidores.

Angola defendeu que a OPEP, deve encontrar “soluções” para estabelecer um “preço justo” do barril de crude.

Antes de deixar Luanda para a capital austríaca, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos angolano, Diamantino de Azevedo, informou a imprensa que espera, na reunião, se encontrem soluções para o preço do barril de petróleo que satisfaça os produtores e os consumidores.

“Temos a expectativa de que se encontrem soluções que correspondam aos anseios dos membros da OPEP e também dos membros não pertencentes à OPEP, mas que trabalham em conjunto com a organização”, disse

Diamantino Azevedo salientou que a fixação dos preços do petróleo nos mercados internacionais tem “uma característica volátil”, embora passe também, atualmente, “por questões geopolíticas”. A organização está preparada e tem experiênpeyrocia suficiente para lidar com essa situação”, sublinhou o governante.

Na reunião de Viena vai discutir-se a estratégia da organização para 2019 e o volume de produção face à queda, nas últimas semanas, do preço do crude nos mercados internacionais que, depois de atingir os 80 dólares/barril, tem vindo a descer.

Hoje, o barril de petróleo Brent, para entrega em Fevereiro, abriu no mercado de futuros de Londres cotado a 60,89 dólares, uma variação negativa de 1,29% em relação ao fecho de quarta-feira, quando o preço do petróleo que serve de referência para Angola fechou a 61,56 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Diferença entre ricos e pobres baixa mas Portugal ainda é dos países mais desiguais da UE

Em causa estão dados divulgados esta quinta-feira pelo gabinete de estatísticas da UE, o Eurostat, que têm por base 20% dos rendimentos mais altos e os 20% dos mais baixos da população em toda a União.

Ditadores “inteligentes” atraem mais investidores estrangeiros, revela estudo

De acordo com a Bloomberg, que analisou o estudo publicado pelo Instituto da economia em transição do Banco da Finlândia, estes investimentos são ainda mais significativos, quando efetivamente o líder do regime possui diplomas universitários ao nível da economia, e em especial quando a estes se junta a experiência no mundo dos negócios.

Guterres: “Procurar um protagonismo que limite a minha capacidade de exercer o meu mandato, por vaidade pessoal, seria um ato de profunda estupidez”

O secretário-geral das Nações Unidas defende a reforma política da organização, mas destaca a dificuldade das mudanças devido à resistência dos membros do conselho permanente: Estados Unidos da América, Rússia, França, Reino Unido e China.
Comentários