Angola quer que OPEP defina “preço justo” para petróleo

Antes de deixar Luanda para a capital austríaca, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos angolano, Diamantino de Azevedo, informou a imprensa que espera, na reunião, se encontrem soluções para o preço do barril de petróleo que satisfaça os produtores e os consumidores.

Angola defendeu que a OPEP, deve encontrar “soluções” para estabelecer um “preço justo” do barril de crude.

Antes de deixar Luanda para a capital austríaca, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos angolano, Diamantino de Azevedo, informou a imprensa que espera, na reunião, se encontrem soluções para o preço do barril de petróleo que satisfaça os produtores e os consumidores.

“Temos a expectativa de que se encontrem soluções que correspondam aos anseios dos membros da OPEP e também dos membros não pertencentes à OPEP, mas que trabalham em conjunto com a organização”, disse

Diamantino Azevedo salientou que a fixação dos preços do petróleo nos mercados internacionais tem “uma característica volátil”, embora passe também, atualmente, “por questões geopolíticas”. A organização está preparada e tem experiênpeyrocia suficiente para lidar com essa situação”, sublinhou o governante.

Na reunião de Viena vai discutir-se a estratégia da organização para 2019 e o volume de produção face à queda, nas últimas semanas, do preço do crude nos mercados internacionais que, depois de atingir os 80 dólares/barril, tem vindo a descer.

Hoje, o barril de petróleo Brent, para entrega em Fevereiro, abriu no mercado de futuros de Londres cotado a 60,89 dólares, uma variação negativa de 1,29% em relação ao fecho de quarta-feira, quando o preço do petróleo que serve de referência para Angola fechou a 61,56 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Carlos Costa: “Se alguém tem provas que me ponham em causa tem toda a possibilidade de me exonerar”

Governador do Banco de Portugal diz que nada fez de errado quando era administrador do banco público.

Salário mínimo deve ser igual para todos, defende Rui Rio

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, salientou o líder do PSD.
Comentários