Angola: quinto ano consecutivo de ‘buraco’ nas contas nacionais

As contas do Estado angolano para 2018 preveem um défice de 697,4 mil milhões de kwanzas (3.560 milhões de euros), equivalente a 2,9 por cento do PIB.

Estes valores traduzem-se no quinto ano consecutivo de ‘buraco’ nas contas nacionais. Os dados constam do relatório de fundamentação do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2018, que o Governo angolano entregou na Assembleia Nacional, na sexta-feira, documento ao qual a agência Lusa teve hoje acesso.

Na proposta, cuja votação final no parlamento deverá acontecer até 15 de fevereiro, o Governo angolano estima despesas e receitas de 9,658 biliões de kwanzas (48,8 mil milhões de euros) e um crescimento económico de 4,9% do PIB.

O défice estimado de 2,9% é o quinto consecutivo, depois dos 5,3% do PIB previstos no OGE para 2017, de 7% em 2016, 3,3% em 2015 e de 6,6% em 2014, quando se iniciou a crise das receitas petrolíferas.

Trata-se do primeiro OGE que João Lourenço, empossado a 26 de setembro como terceiro Presidente da República e líder do Governo, leva ao parlamento, depois de 38 anos de liderança em Angola a cargo de José Eduardo dos Santos.

Relacionadas

Primeiro Orçamento de João Lourenço quer economia angolana a crescer 4,9% em 2018

A proposta de Orçamento para 2018, entregue na Assembleia Nacional pelo ministro de Estado e do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, prevê igualmente um défice de 2,9%, devendo a discussão parlamentar sobre o documento ter início a 05 de janeiro, com votação até 15 de fevereiro.

Angola: João Lourenço aperta cerco às “verdadeiras fortunas” e exige repatriamento de capitais

O Presidente de Angola, João Lourenço, apresentou a estratégia de combate à corrupção, no âmbito da qual vem exigir que os angolanos “detentores de verdadeiras fortunas no estrangeiro” sejam os primeiros a investir no país.
Recomendadas

“Ele soa como nós”. Ex-líder do Klu Klux Klan elogia Bolsonaro

“Ele é sem dúvida um descendente europeu. Parece-se com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França”, qualificou o David Burke, ex-líder do Klu Klux Klan.

Dívida pública de Angola estimada em 70 mil milhões de dólares

Situação foi relatada hoje pela secretária de Estado para o Orçamento de Angola, Aia Eza da Silva, quando procedia a apresentação do Quadro Macroeconómico 2019 e os Limites da Despesa para Elaboração do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2019.

Bolsonaro cresce nas intenções de voto, revela sondagem

Bolsonaro é o favorito à vitória na 2ª volta das eleições do Brasil. Francisco Haddad só leva a melhor entre os mais pobres e entre os eleitores do nordeste do Brasil. Brasileiros voltam às urnas dia 28.
Comentários