PremiumAntas da Cunha Ecija procura fazer ainda mais fusões

Escritório liderado por Fernando Antas da Cunha integrou a ‘boutique’ bracarense Vieira Advogados, mas “não fica por aqui”.

O advogado Nuno da Silva Vieira tinha “um bom carro” (uma boutique em Braga e interesse em tecnologia) mas não tinha a “pista” (uma sociedade onde se pudesse focar e especializar no digital), e foi essa rampa de lançamento que a Antas da Cunha Ecija lhe quis dar. O escritório liderado por Fernando Antas da Cunha iniciou o ano com uma fusão, integrando a equipa da Vieira Advogados e juntando o seu managing partner ao colégio de sócios.

A sociedade da Avenida Fontes Pereira de Melo recebeu, assim, mais seis advogados e dois administrativos. Em entrevista ao Jornal Económico (JE), Fernando Antas da Cunha refere que irá continuar a privilegiar o crescimento orgânico mas “não vai ficar por aqui” nas fusões, tendo em conta que persistem áreas tradicionais que requerem mais expertise, como Societário e Fiscal. “Precisamos de massa crítica competente. Acho que a nossa dimensão já justifica ter, dentro do Fiscal, uma área de impostos diretos e indiretos, por exemplo. Ou seja, começar a especializar dentro da especialização”, assegura o advogado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários