António Costa avança com antecipação de mais de mil milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência

Primeiro-ministro teve “esforço titânico do Governo” para injetar liquidez na economia elogiado pela líder parlamentar socialista Ana Catarina Mendes.

Twitter

O primeiro-ministro realçou que o Orçamento do Estado para 2021 prevê a possibilidade de mobilizar mais de mil milhões de euros que permitirão antecipar parcialmente as verbas previstas para Portugal no Plano de Recuperação e Resiliência. Em resposta a uma pergunta do deputado socialista João Paulo Correia acerca das medidas de apoio com que os empresários podem contar, António Costa disse que esses recursos podem ser mobilizados “para responder a necessidades imediatas” mas também os objetivos estratégicos da transição digital e ação climática.

António Costa referira antes que a “emissão histórica de dívida conjunta” pelos países da União Europeia depende ainda do regulamento que cria o Plano de Recuperação e Resiliência, bem como as ratificações pelos parlamentos nacionais e pelo Parlamento Europeu.

Logo na primeira ronda de perguntas feitas pelos deputados do PS o primeiro-ministro advertira que não deverá haver ilusões de que a crise económica e social provocada pela Covid-19 não tenha reflexos em Portugal. “Não sairemos desta pandemia sem feridas nem cicatrizes”, disse, em resposta a uma intervenção da líder parlamentar socialista Ana Catarina Mendes.

Destacando a “mobilização extraordinária de recursos nacionais”, na senda da referência de Ana Catarina Mendes ao “esforço titânico que o Governo teve de fazer para injetar 29 mil milhões de euros para as pequenas e médias empresas e para não asfixiar a economia”, o primeiro-ministro advertiu que não é possível compensar todas as perdas sofridas pela quebra de atividade.

Por seu lado, Ana Catarina Mendes destacara o papel do PS na garantia de lay-off a 100%, elogiando o foco socialista de que é “essencial que as pessoas possam manter o seu posto de trabalho e os seus rendimentos”. Sem esquecer a garantia de que “a resposta da direita” à pandemia seria, caso estivesse no poder, “menos uns tantos profissionais no Serviço Nacional de Saúde” e “menos uns tantos testes de despistagem”.

António Costa respondeu ainda ao deputado Porfírio Silva, que lhe colocou uma pergunta sobre a “campanha de desestabilização” do Governo de Portugal do PSD ao levantar a questão da escolha do procurador europeu no Parlamento Europeu, que “os tempos não estão para a pequena política”.

 

Ler mais
Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários