António Costa é a nona personalidade mais influente de 2018 para o ‘Politico’

“Depois de encaminhar o seu partido para festa a uma vitória recorde nas eleições autárquicas de outubro, o primeiro-ministro português chega ao novo ano na esperança de fazer ainda melhor”, explica o Político.

O primeiro-ministro, António Costa, é uma das personalidades mais influentes de 2018, de acordo com o Politico. O ranking “Class de 28” da organização de jornalismo político coloca o governante português na posição de nona figura mundial “who are shaping, shaking and stirring Europe” [que está a moldar, agitar e a ‘dar um abanão’ na Europa”].

O jornal norte-americano considera o chefe de Governo português um “caso raro na Europa de hoje: um socialista de sucesso” e “um duro lutador político escondido atrás de um pronto sorriso de campanha”. “Depois de encaminhar o seu partido para festa a uma vitória recorde nas eleições autárquicas de outubro, o primeiro-ministro português chega ao novo ano na esperança de fazer ainda melhor”, explica o Politico.

A tabela dos líderes políticos do próximo ano é encabeçada por Christian Lindner, Partido Democrático Liberal, pelo ministro da Justiça e Lorde Chanceler do Reino Unido, Michael Gove, e por ministra do Trabalho francesa, Muriel Pénicaud.

Na tabela de personalidades influentes deste ano, onde esteva incluída a empresária Isabel dos Santos, Sadiq Khan, mayor de Londres, conquistou o primeiro lugar.

Fonte: Politico

Ler mais
Recomendadas

Bolsonaro vem a Portugal no início de 2020

Jair Bolsonaro, deverá visitar Portugal no início de 2020, disse hoje, em entrevista à Lusa, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo.

Deputadas do PSD perdem imunidade parlamentar e são constituídas arguidas

Emília Cerqueira e Maria das Mercês Borges respondem em processos relacionados com o registo de falsas presenças de José Silvano e Feliciano Barreiras Duarte e José Silvano em reuniões plenárias da Assembleia da República.

Revisão do Código do Trabalho aprovada apenas com votos favoráveis do PS

As bancadas do BE, PCP e PEV votaram contra o diploma, justificando a sua posição com o facto de não se reverem no texto final que foi hoje a votos e que consideram ter normas que são uma cedência do PS aos partidos à direita e às confederações patronais.
Comentários