António Costa enaltece “sucesso inquestionável” da criação de emprego

Na abertura do debate quinzenal de hoje no Parlamento, o primeiro-ministro destacou os “321 mil postos de trabalho” que foram “criados desde o início da legislatura”. Para Costa, trata-se de um “sucesso inquestionável”, baseado em dois fatores: “confiança” e “novas condições para o investimento”.

“321 mil postos de trabalho”. Foi assim que o primeiro-ministro António Costa iniciou hoje o debate quinzenal no Parlamento, referindo-se ao número de postos de trabalho “criados desde o início da legislatura”. Trata-se de um “sucesso inquestionável” – enalteceu Costa – baseado em dois fatores: “confiança” e “novas condições para o investimento”.

No que respeita ao primeiro fator, Costa salientou que “a nova política de rendimentos pôs fim a um quotidiano de incerteza e a um clima de asfixia, o que foi fundamental para a recuperação da confiança”. Quanto ao segundo fator, enumerou uma série de medidas que terão contribuído para o aumento do investimento, nomeadamente “o acelerar da execução do sistema de incentivos às empresas”.

Apesar da “notável criação de emprego”, o primeiro-ministro reconheceu que “temos menos emprego do que tínhamos em 2008”, identificando um paradoxo: “Por um lado, já temos menos 60 mil desempregados do que os registados em 2008. Por outro lado, ainda temos menos 300 mil postos de trabalho”. Na perspetiva de Costa, esse paradoxo resulta da saída de 300 mil trabalhadores de Portugal entre 2011 e 2015, “agravando o já problemático défice demográfico”.

Relacionadas

António Costa diz que Orçamento de Estado vai alargar incentivos às empresas

No OE 2019 “estarão presentes medidas que melhoram os rendimentos, mas também medidas que alargam os incentivos às empresas no reinvestimento dos seus lucros, e do apoio à inovação e à qualificação dos seus trabalhadores”. Costa disse ainda que vai “repor integralmente o financiamento [investimento] ao Serviço Nacional de Saúde”

Negrão questiona Costa sobre nomeação de deputado do PS como administrador da ERSE

Líder da bancada parlamentar do PSD sublinhou que a entidade reguladora deve manter “independência face aos agentes do mercado mas também do poder político”. E perguntou: “O deputado Carlos Pereira assegura essa independência?” Ao que Costa respondeu: “Nenhum cidadão pelo facto de exercer mandato parlamentar fica incapacitado”.
Recomendadas

Retoma da economia traz novos desafios ao país

Endividamento e tesouraria das empresas portuguesas encontram-se entre as principais fragilidades apontadas pelos analistas. Apesar da quebra provocada pela pandemia de Covid-19, o setor do turismo pode surpreender.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.

“Salvar as empresas e preservar o emprego”. Conheça as prioridades de António Costa Silva para recuperar a economia

O gestor, atualmente presidente da Partex, a quem o Primeiro Ministro pediu o plano de recuperação diz que tem de se evitar que a economia “entre em estado de coma”. António Costa Silva diz que o Estado vai ter de ser interventivo e que o novo modelo económico tem de estar assente no investimento nas infraestruturas (físicas e digitiais) e na reconversão industrial.
Comentários