António Costa: Há “muito poucas” famílias abrangidas nas rendas acessíveis devido às férias

Com o regresso das férias, António Costa sustenta que o planeamento já foi “feito por parte das autarquias e agora vai ser uma altura de grande execução e de responder a um dos maiores problemas que hoje grande parte da classe média sente, e em particular os jovens”.

Twitter

De visita a uma habitação que estava a ser preparada no âmbito da renda acessível, António Costa garante que ainda há “muito poucas” famílias a serem abrangidas pelo programa de rendas acessíveis do Governo. O programa teve início no primeiro dia do mês de julho e convergiu com o período de férias dos portugueses, podendo esta ser uma razão para as poucas famílias que aderiram ao programa, afirmou o primeiro-ministro.

Com o regresso das férias, António Costa sustenta que o planeamento já foi “feito por parte das autarquias e agora vai ser uma altura de grande execução e de responder a um dos maiores problemas que hoje grande parte da classe média sente, e em particular os jovens, que é o acesso à habitação em condições acessíveis”.

Questionado sobre os valores que seriam pagos, o primeiro-ministro sublinha que “os valores de arrendamento destas habitações dependem da localização, da tipologia e depende também do quadro da estratégia nacional e da estratégia local”. No entanto, apesar dos fogos terem um intervalo de rendas, o valor praticado depende sempre do rendimento das famílias, “para que a taxa de esforço das famílias não exceda um terço do seu rendimento líquido”.

O secretário-geral do PS garante que “há mais de uma centena de fogos privados que aderiram ao programa e há centenas de fogos em desenvolvimento através das operações com os municípios ou através do Estado”. “Em Lisboa lançou-se um programa muito forte na recuperação do antigo hospital Miguel Lombarda que significará umas centenas de fogos”, sendo que se estendeu a Almada, onde existem mais 350 habitações para o mesmo efeito, sendo que estes terrenos pertenciam ao Estado.

Relacionadas

Programa de Arrendamento Acessível comprometido por falta de interesse das Seguradoras

Em abril de 2018, após ser apresentado o Programa de Arrendamento Acessível, Ana Pinho, secretária de Estado da Habitação, afirmou que o “pacote de seguros para as rendas acessíveis está pronto a ser lançado”, algo que passado mais de um ano não se verifica.

BE quer 100 mil casas com rendas acessíveis até 2023

A proposta tem um custo estimado de seis mil milhões de euros para os quatro anos da legislatura. Portugal tem 2% de habitação pública, abaixo da média europeia, que está nos 15%

Fernando Medina: “A renda deve ser aquilo que a pessoa pode pagar”

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa apresentou esta quarta-feira o novo Regulamento Municipal de Habitação relativo ao Programa de Renda Acessível. Os valores das rendas acessíveis variam consoante a tipologia da habitação, onde os T0 podem ir dos 150 a 400 euros, um T1 dos 150 a 500 euros, os T2 dos 150 a 600 euros e as tipologias T3, T4 e T5 dos 200 a 800 euros.

Governo rejeita impor limites ao valor das rendas das casas devido à falta de oferta

Ana Pinho considerou que, neste momento, a imposição de restrições na atualização do valor das rendas não é uma opção em cima da mesa, uma vez que, em Portugal, só 2% do parque habitacional é público e “o próprio setor do arrendamento privado é de muita reduzida dimensão”.
Recomendadas

Aliança, PPM e Democracia 21 pedem repetição das legislativas nos círculos da Europa e de Fora da Europa

Cartas ao Presidente da República e Ministério da Administração Interna visam assegurar que eleitores não sejam excluídos, como “se exige numa democracia estável e madura”. Contagem dos votos enviados pelo correio que determinam eleição de quatro deputados arranca nesta quarta-feira e ainda não chegou nenhum envelope da África do Sul.

CIP pede 500 milhões de euros no SNS no Orçamento do Estado para 2020

Em agosto de 2019, “o défice do SNS já era de 256 milhões de euros, mais do dobro do inicialmente previsto no Orçamento do Estado para 2019”, frisa a CIP.

Governo envia hoje para o Parlamento e Bruxelas esboço do Orçamento do Estado para 2020

Documento segue primeiro para a Assembleia da República e depois para a Representação Permanente de Portugal junto da União Europeia, que reencaminha para Bruxelas.
Comentários