António Costa: Há “muito poucas” famílias abrangidas nas rendas acessíveis devido às férias

Com o regresso das férias, António Costa sustenta que o planeamento já foi “feito por parte das autarquias e agora vai ser uma altura de grande execução e de responder a um dos maiores problemas que hoje grande parte da classe média sente, e em particular os jovens”.

Twitter

De visita a uma habitação que estava a ser preparada no âmbito da renda acessível, António Costa garante que ainda há “muito poucas” famílias a serem abrangidas pelo programa de rendas acessíveis do Governo. O programa teve início no primeiro dia do mês de julho e convergiu com o período de férias dos portugueses, podendo esta ser uma razão para as poucas famílias que aderiram ao programa, afirmou o primeiro-ministro.

Com o regresso das férias, António Costa sustenta que o planeamento já foi “feito por parte das autarquias e agora vai ser uma altura de grande execução e de responder a um dos maiores problemas que hoje grande parte da classe média sente, e em particular os jovens, que é o acesso à habitação em condições acessíveis”.

Questionado sobre os valores que seriam pagos, o primeiro-ministro sublinha que “os valores de arrendamento destas habitações dependem da localização, da tipologia e depende também do quadro da estratégia nacional e da estratégia local”. No entanto, apesar dos fogos terem um intervalo de rendas, o valor praticado depende sempre do rendimento das famílias, “para que a taxa de esforço das famílias não exceda um terço do seu rendimento líquido”.

O secretário-geral do PS garante que “há mais de uma centena de fogos privados que aderiram ao programa e há centenas de fogos em desenvolvimento através das operações com os municípios ou através do Estado”. “Em Lisboa lançou-se um programa muito forte na recuperação do antigo hospital Miguel Lombarda que significará umas centenas de fogos”, sendo que se estendeu a Almada, onde existem mais 350 habitações para o mesmo efeito, sendo que estes terrenos pertenciam ao Estado.

Relacionadas

Programa de Arrendamento Acessível comprometido por falta de interesse das Seguradoras

Em abril de 2018, após ser apresentado o Programa de Arrendamento Acessível, Ana Pinho, secretária de Estado da Habitação, afirmou que o “pacote de seguros para as rendas acessíveis está pronto a ser lançado”, algo que passado mais de um ano não se verifica.

BE quer 100 mil casas com rendas acessíveis até 2023

A proposta tem um custo estimado de seis mil milhões de euros para os quatro anos da legislatura. Portugal tem 2% de habitação pública, abaixo da média europeia, que está nos 15%

Fernando Medina: “A renda deve ser aquilo que a pessoa pode pagar”

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa apresentou esta quarta-feira o novo Regulamento Municipal de Habitação relativo ao Programa de Renda Acessível. Os valores das rendas acessíveis variam consoante a tipologia da habitação, onde os T0 podem ir dos 150 a 400 euros, um T1 dos 150 a 500 euros, os T2 dos 150 a 600 euros e as tipologias T3, T4 e T5 dos 200 a 800 euros.

Governo rejeita impor limites ao valor das rendas das casas devido à falta de oferta

Ana Pinho considerou que, neste momento, a imposição de restrições na atualização do valor das rendas não é uma opção em cima da mesa, uma vez que, em Portugal, só 2% do parque habitacional é público e “o próprio setor do arrendamento privado é de muita reduzida dimensão”.
Recomendadas

Conservadores com vantagem nos primeiros resultados das eleições do Irão

Uma agência anunciou que a afluência dos eleitores era de 40% a nível nacional e de 30% em Teerão às 18:00 locais de sexta-feira, hora inicialmente prevista para o fecho da votação.

Maior partido no parlamento de Timor-Leste diz que nova coligação vai levar país a eleições

O secretário-geral da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) disse que a “coligação foi formatada para criar nova crise institucional para irmos para eleições antecipadas”.

Xanana Gusmão anuncia coligação em Timor-Leste para formar Governo

O partido liderado por Xanana Gusmão conta com o apoio dos 21 deputados do CNRT, maior partido da atual coligação do Governo, a nova aliança inclui ainda os cinco deputados do Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) e cinco do Partido Democrático (PD).
Comentários