António Costa não vai mexer no dossiê dos professores: “É um assunto bem encerrado”

O primeiro-ministro e fontes próximas do mesmo indicaram ao “Expresso” que a reestruturação da carreira docente está fora do programa do PS para as próximas legislativas.

António Costa recusa-se a mexer no dossiê dos professores na próxima legislatura. Em declarações ao “Expresso”, o primeiro-ministro indicou que a alteração da carreira, do estatuto ou da avaliação dos docentes está fora do programa do Partido Socialista (PS) para as eleições de outubro.

“É um assunto bem encerrado”, garante o líder do executivo ao semanário, depois de encerrada a curta crise política. Na mesma linha, fontes próximas do primeiro-ministro disseram ao jornal que acham que nem a recuperação integral dos nove anos congelados seja tema nas negociações para uma próxima solução governativa: “Mesmo o eleitorado do Bloco de Esquerda e do PCP não o apoia”.

O texto final da comissão de Educação e Ciência, que previa a contagem integral dos nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos sindicatos, foi rejeitado com os votos contra do PS, PSD e CDS-PP. Os dois partidos da oposição já tinham anunciado a decisão, depois de na semana passada terem votado na especialidade ao lado do PCP, BE e PEV, para aprovar a garantia de que o tempo de serviço dos professores seria recuperado na totalidade.

Há uma semana, António Costa tinha deixado claro que se o texto fosse aprovado o Governo apresentaria a demissão. “Entendi ser meu dever de lealdade institucional informar o Presidente da República e Presidente da Assembleia da República que a aprovação final global desta iniciativa parlamentar, forçará o Governo a apresentar a sua demissão”, garantiu o primeiro-ministro.

Recomendadas

António Costa diz que chumbo da contagem total do tempo dos professores foi “uma vitória da responsabilidade”

O primeiro-ministro considera que o resultado da votação em plenário esta sexta-feira é “clarificador” e respeita o princípio da equidade, equilibrando as contas públicas e mantendo a credibilidade internacional.

Mário Nogueira agradece a António Costa a decisão de continuar à frente da Fenprof

“O PS, o Governo e António Costa ajudaram-me a tomar uma decisão. Irei ser secretário-geral da Fenprof se o congresso assim decidir em 15 de junho, porque o Governo, o PS e António Costa merecem que a luta continue e eu estou disponível para a liderar”, disse hoje o secretário-geral da Fenprof.

PS nega mal-estar na geringonça e diz que é preciso compatibilizar contas públicas com dimensão social

O líder da bancada parlamentar e presidente do PS, Carlos César, afirma que a prioridade do Governo é compatibilizar o equilíbrio das contas públicas com dimensão social, tal como tem vindo a dizer aos partidos que sustentam o PS no Parlamento.
Comentários