António Costa reitera que nada sabe sobre o caso Tancos

Em entrevista à RTP, o secretário-geral do PS acusou Rui Rio de ter feito “uma insinuação que é absolutamente lamentável”.

O secretário-geral do PS, António Costa, lembrou este domingo que “há muitos meses que disse que nada sabia” sobre o caso de Tancos, respondendo ao líder social-democrata, Rui Rio, que acusou de ter feito “uma insinuação que é absolutamente lamentável”.

“Já há muitos meses que disse que nada sabia sobre esse caso e, em particular, sobre a forma como as armas foram recuperadas”, afirmou o dirigente socialista, em entrevista à RTP, acrescentando que o tinha dito “por escrito, nas respostas” que deu à comissão parlamentar de inquérito.

António Costa acrescentou que “a comissão, aliás, teve uma conclusão inequívoca em relação” ao desconhecimento “em absoluto desse processo”.

“Até hoje nunca a Justiça me fez qualquer pergunta, se houvesse alguma dúvida seguramente me teriam feito qualquer pergunta”, explicou, respondendo assim às críticas de Rui Rio, que na quinta-feira disse achar “pouco crível” que Costa nada soubesse do caso.

“Rui Rio faz simplesmente uma insinuação que é absolutamente lamentável, devo dizer surpreendente, uma pessoa que julgava que seria firme nos seus princípios e que num dia diz que passa de maior inimigo público do Ministério Público para, de repente, ser o maior desconfiado quanto aquilo que é a competência própria dos tribunais para julgar”, considerou, sublinhando que “quando passar o calor da campanha eleitoral” e Rui Rio “cair em si, ele próprio concluirá que, ao longo desta semana, não tem agido à altura daquilo que nos habituámos”.

Considerando “lamentável” que durante a campanha Rui Rio “venha querer politizar um caso que está entregue à Justiça” e não afirmando que não admite “a ninguém que ponha em causa” a sua palavra, o secretário-geral socialista considerou que Rio “está mal-habituado porque só tem ido a eleições assegurada”.

“Percebo que se possa estar nervoso quando as campanhas não correm bem, mas aquilo que define um político é a capacidade de manter a cabeça fria e nervos de aço nos momentos mais difíceis”, sublinhou.

Questionado também sobre se mantém a confiança no ex-ministro da Defesa Nacional Azeredo Lopes, – um dos 23 acusados pelo Ministério Público no processo de Tancos -, o socialista afirmou que “há uma acusação que põe em causa aquilo que ele [Azeredo Lopes] disse, é o momento de ele poder exercer o seu direito de defesa” e “depois o juiz de instrução primeiro, o tribunal, se for o caso, apreciará essa matéria”.

Costa vincou ainda que não vive “nesse mundo das teorias da conspiração”, onde Rio “vê conspirações nas sondagens, vê conspirações no Ministério Público, vê conspirações nos tribunais”.

Ler mais
Relacionadas

Tancos: Sócrates critica declarações de António Costa

O antigo primeiro-ministro considera que a apresentação da acusação judicial tem evidente e ilegítima motivação política e crítica anteriores declarações de António Costa sobre justiça.

Rui Rio sobre Tancos: “O Partido Socialista não sabe o que há de dizer”

O presidente do PSD pediu ironicamente, este sábado, a António Costa que lhe apresente uma lista dos assuntos sobre os quais poderá falar na campanha.
Recomendadas

PAN: “Estado de Emergência não significa necessariamente que tenha que existir um confinamento”

Em declarações ao Jornal Económico, Inês Sousa-Real assinala que “o que importa neste momento é percebermos onde é que estão as cadeias de transmissão”, defendendo que proporcionalidade e adequação das medidas consoante as localidades e regiões.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.
Comentários