António Costa sobre Novo Banco: “Se auditoria falhar, Fundo de Resolução pode reaver dinheiro”

O primeiro-ministro garante que Fundo de Resolução tem toda a legitimidade para recuperar o dinheiro que desembolsou agora com a injeção de 850 milhões de euros no Novo Banco.

O primeiro-ministro, António Costa, revelou, durante o debate quinzenal desta quarta-feira, que se a auditoria ao Novo Banco falhar, o Fundo de Resolução pode reaver o dinheiro.

“Não tenho a menor dúvida que, se a auditoria constatar que o banco cometeu falhas de gestão que injustificavam as injeções que foram feitas, o Fundo de Resolução tem toda a legitimidade de agir no sentido da recuperar o dinheiro que desembolsou e não tinha que desembolsar”, anunciou António Costa. Em causa, estão os 850 milhões de euros injetados pelo Estado ao Novo Banco.

As declarações do primeiro-ministro foram feitas em resposta à coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, que considerou que o “ministério das Finanças não cumpriu o que trouxe no Orçamento do Estado”. Citando este documento, Catarina Martins recordou que “o ministério das Finanças tinha dito que eventualmente injetaria 600 milhões de euros, mas acabou a injetar 850 milhões”.

Além do dinheiro atribuído, a coordenadora do Bloco de Esquerda também não deixou de referir que não há “garantia de auditoria pública às contas de antes de haver uma nova injeção”.

António Costa aproveitou ainda a sua intervenção para recordar que “o papel do governo não é injetar dinheiro no Novo Banco, é emprestar dinheiro ao fundo de resolução e é isso que nós fazemos”.

Relacionadas

Rui Rio critica incapacidade de “julgar e punir quem que seja” pelo “maior crime de colarinho branco” em Portugal

Líder social-democrata revelou-se muito crítico para com o processo que levou ao colapso do Banco Espírito Santo e com a gestão do Novo Banco, apontando aos seus acionistas a vontade de premiar “a maneira eficaz como o conselho de administração tem sacado dinheiro aos portugueses”.
Recomendadas

Catarina Martins quer “lay-off” com salário pago a 100% e apoios urgentes antes do Orçamento suplementar

Coordenadora do Bloco de Esquerda também defendeu que empresas fiquem dispensados do pagamento por conta do IRC, estabelecendo um paralelismo com a intenção bloquista de proibir a distribuição de dividendos. “Os lucros do ano passado não devem servir de bitola para este ano”, defendeu no encontro na residência oficial do primeiro-ministro.

Governo alemão e Lufthansa fecham resgate que pode ascender a 9 mil milhões de euros

Com este resgate, o governo alemão ficará como principal acionista da companhia aérea com 20% de participação no capital da empresa. O acordo permanecerá pendente até que a Comissão Europeia dê o seu “aval”.

Governo aberto para suspender este ano pagamento por conta do IRC, diz deputado de “Os Verdes”

No plano político, o deputado do PEV considerou que “ainda é cedo” para definir uma posição sobre esses diplomas do Governo, quando, para mais, durante a reunião de hoje, nenhum documento escrito foi entregue por parte do executivo.
Comentários