António Costa: “Também não leio todos os relatórios que chegam aqui ao meu gabinete”

A propósito da polémica causada pelas declarações de Ana Mendes Godinho sobre o lar onde morreram 18 pessoas devido à Covid-19, o primeiro-ministro defendeu, em entrevista ao “Expresso”, que “sem querer diminuir a gravidade de qualquer morte” não pode “aceitar a crucificação pública de instituições que sao parceiras fundamentais do Estado”

O primeiro-ministro António Costa voltou a defender a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, considerando normal que esta não tenha lido o relatório da Ordem dos Médicos sobre o lar de Reguengos de Monsaraz onde morreram 18 pessoas devido à pandemia de Covid-19. “Também não leio todos os relatórios que chegam aqui ao meu gabinete, porque são umas largas dezenas por dia. Se os meus assessores não tivessem o trabalho de fazer essa leitura e de me dar informação de síntese, não conseguia acompanhar…”, disse, em entrevista ao “Expresso”.

Para o primeiro-ministro, “é natural que o secretário de Estado de Saúde tenha lido o relatório” da Ordem dos Médicos, achando normal que Ana Mendes Godinho “tenha olhado para os relatórios que lhe chegaram sobretudo através das instituições da Segurança Social, onde ela tem competência para fiscalizar, e quanto ao outro tenha pedido aos assessores que fizessem uma leitura e lhe dessem uma informação global”.

Mas Costa defendeu sobretudo na entrevista que a ministra e o Governo estão atentos ao problema vivido nos lares da terceira idade portugueses, realçando que “no caso concreto do lar de Reguengos convém não esquecer que o Estado nunca regateou esforços e até mobilizou as Forças Armadas para assumirem a gestão e a condução da resposta aos utentes quando estes não estavam a ter apoio por parte dos funcionários contaminados e dos profissionais, que se recusaram a cumprir os seus deveres”.

Admitindo não haver dúvidas de que houve falhas no lar, o qual salientou ser propriedade de uma fundação privada, o primeiro-ministro voltou a garantir que o Governo tem apostado na fiscalização e defendeu as infra-estruturas geridas por instituições particulares de solidariedade social, misericórdias e mutualidades. “Não posso aceitar a crucificação pública de instituições que são parceiras fundamentais do Estado, que prestam um serviço social da maior relevância. Sem querer diminuir a gravidade de qualquer morte, porque qualquer morte em si é uma tragédia absoluta, sem querer diminuir a gravidade de qualquer morte, porque qualquer morte em si é uma tragédia absoluta, sem querer diminuir a gravidade de haver um problema em 70 lares, não posso deixar de ignorar que estamos a falar de um conjunto de lares de um universo de cerca de 2.500 lares em todo o país”, disse.

Recomendadas

Covid-19: China regista 10 casos, todos importados

A China detetou 10 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, todos importados, sem registar contágios locais pelo segundo dia consecutivo, segundo dados oficiais hoje divulgados.

Governo entrega esta semana Programa de Estabilidade com previsões piores devido à pandemia

O Governo entrega no parlamento até quinta-feira o Programa de Estabilidade 2021/2025, documento que irá incluir uma revisão em alta do défice e em baixa do cenário macroeconómico devido à pandemia de covid-19.

Covid-19: Estudo israelita aponta resistência da variante sul-africana a vacina da Pfizer

Um estudo israelita divulgado hoje pela imprensa local revelou que a variante sul-africana do coronavírus é mais resistente do que a britânica à vacina da Pfizer/BioNtech, embora sem especificar o grau de resistência.
Comentários