António Costa vai responder por escrito no caso de Tancos

O juiz Carlos Alexandre aceitou o pedido da defesa de Azeredo Lopes, avança a Renascença.

Twitter

António Costa pode depor por escrito na condição de testemunha no caso de Tancos, avança hoje a Rádio Renascença. Apesar do juiz preferir inicialmente um depoimento presencial, agora aceita que seja um depoimento por escrito, segundo um despacho do juiz citado pela RR.

A 8 de janeiro, o juiz Carlos Alexandre tinha voltado a insistir na importância de ouvir presencialmente o primeiro-ministro como testemunha no caso Tancos. No entanto, o juiz não tinha feito o pedido obrigatório ao Conselho de Estado, avançou a Lusa.

No despacho de início de janeiro, o magistrado voltou a defender a necessidade de ouvir o primeiro-ministro presencialmente dada a complexidade da matéria e a eventual necessidade de confrontação das pessoas com a prova documental dos autos, todas as declarações terão lugar nas instalações do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), não admitindo diligências depoimentos por escrito ou por videoconferência, segundo a Lusa.

O processo de Tancos tem 23 acusados, incluindo Azeredo Lopes, Luís Vieira, Vasco Brazão e o ex-fuzileiro João Paulino, que estão acusados de um conjunto de crimes que vão desde terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça e prevaricação até falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

O caso do furto do armamento de guerra dos paióis de Tancos foi divulgado pelo exército em 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

Tancos: Juiz Carlos Alexandre ainda não pediu ao Conselho de Estado para ouvir presencialmente primeiro-ministro

 

Ler mais
Relacionadas

Tancos: Diretor da PJ e dois procuradores que investigaram caso ouvidos a 19 de fevereiro

O diretor da Polícia Judiciária, o diretor adjunto da PJ e um dos procuradores que investigou o caso de Tancos vão ser ouvidos como testemunhas a 19 de fevereiro, na fase de instrução do processo que hoje começou.
António Costa Assina OE2020

Tancos: juiz insiste em ouvir primeiro-ministro presencialmente

O juiz que dirige a fase de instrução do processo Tancos reitera o pedido ao Conselho de Estado para que o primeiro-ministro seja autorizado a prestar depoimento presencial como testemunha do ex-ministro da defesa e arguido Azeredo Lopes.

Tancos: Juiz Carlos Alexandre ainda não pediu ao Conselho de Estado para ouvir presencialmente primeiro-ministro

Em despacho, o juiz que dirige esta fase do processo mostra o seu desagrado por António Costa ter pedido ao Conselho de Estado para depor por escrito, após ter sido arrolado como testemunha do seu ex-ministro da Defesa.
Recomendadas

Sindicato denuncia “agravada exploração” de trabalhadores no Complexo de Sines

“A precariedade está inerente ao trabalho à hora e esta questão é muito complicada e importa terminar porque reporta-nos para vínculos de trabalho quase da pré-revolução industrial, um grave problema que temos neste complexo industrial e temos de acabar com ele”, avançou hoje à agência Lusa o coordenador local do SITE Sul, Hélder Guerreiro.

PSP identificou sete pessoas no caso do vídeo de jovem obrigado a inalar fumo de escape

Depois do vídeo partilhado nas redes sociais em que se vê um jovem negro ser obrigado a inalar fumo de escape de uma viatura, a PSP rapidamente conseguiu identificar os intervenientes e apurou que se tratou de uma aposta feita num contexto de um grupo de amigos. O caso foi remetido para o ministério público.

Sondagem: 80% dos inquiridos a favor de referendo sobre eutanásia

Dos inquiridos que defendem um referendo, 67,8% votariam a favor da despenalização da eutanásia. No entanto, 61,1% defende que a eutanásia só deve ser administrada por médicos. Já 73,9% dos inquridos considera que os pacientes devem ser submetidos a avaliação psicológica.
Comentários