PremiumAntónio Varela indicado para ‘chairman’ do Crédito Agrícola

António Varela deverá ser proposto para presidente do Conselho Geral e de Supervisão do Crédito Agrícola, na lista que será conhecida esta semana. Será o regresso ao setor financeiro do antigo homem forte da supervisão prudencial do Banco de Portugal, que saiu em ruptura com Carlos Costa.

Foto Cedida

António Varela, ex-administrador do Banco de Portugal, deverá ser proposto para a presidência do conselho geral e de supervisão (CGS) da Caixa Central do Crédito Agrícola Mútuo, o equivalente a chairman da instituição, no triénio 2019-2021, apurou o Jornal Económico. Por sua vez, Licínio Pina será proposto para mais um mandato como presidente do conselho de administração executivo (CEO), na assembleia geral marcada para 25 de maio.

A lista dos órgãos sociais para o próximo mandato deverá ser conhecida esta semana, cumprindo as novas regras para a nomeação dos elementos do conselho geral e de supervisão, que entraram em vigor com a revisão dos estatutos que teve lugar no mês passado. Essa alteração, realizada sob a alçada do Banco de Portugal, obriga a que a maioria dos membros do CGS passem a ser independentes das 80 caixas de crédito agrícola que compõem aquele que é o sétimo maior banco em Portugal.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

Recomendadas

Bancos australianos dizem que têm muito dinheiro

“Há toda essa liquidez a fluir e eu não tenho muita utilização produtiva para ela, porque as pessoas não a querem”, afirma Shayne Elliott, CEO do ANZ Bank.

Fidelidade mantém cobertura dos custos de internamento na segunda vaga de Covid-19

A Fidelidade mantém assim a cobertura dos custos nesta segunda vaga de Covid-19. “Após as notícias que têm sido difundidas nos últimos dias, o grupo segurador líder em Portugal vem desta forma reafirmar o compromisso com os seus clientes de assumir a cobertura integral dos custos de internamento em caso de infeção por Covid-19”, diz a seguradora.

BdP conclui reforma legislativa que lhe dá poder para inibir provisoriamente votos de um acionista qualificado

É a verdadeira reforma da lei bancária o anteprojecto que o Banco de Portugal leva a consulta pública. Num trabalho coordenado por Máximo dos Santos, o supervisor propõe proibir que bancos realizem operações com entidades em países não cooperantes; obriga à transparência das estruturas de participação dos grupos; obriga à garantia que as filiais ou sucursais sejam autossuficientes em liquidez; e dá poder de inibição provisória de voto e determinação de venda de participações qualificadas.
Comentários