APAVT considera “inaceitável e incompreensível” que não se faça nada para resolver inoperacionalidade do Aeroporto da Madeira

Para a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo a substituição de tráfego das companhias aéreas falidas e o desenvolvimento de novas ligações está “absolutamente dependente” da operacionalidade do Aeroporto da Madeira.

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Pedro Costa Ferreira, considerou “incompreensível e inaceitável”, que um destino cuja economia depende em mais de 26% do turismo, é não se faça nada para resolver a questão da inoperacionalidade do Aeroporto da Madeira.

O responsável acrescenta, em reacção à falência da Germania Airlines, que a substituição de tráfego devido à falência de companhias aéreas e ainda o desenvolvimento de novas ligações “está absolutamente dependente” da operacionalidade do aeroporto, bem como o transporte dos próprios residentes.

Para Pedro Costa Ferreira esta falência “obriga a mais investimento” referindo que é o próprio Aeroporto da Madeira a travar a recuperação do turismo, e que as exigências que a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) faz ao setor das agências de viagens, afirmando que, na prática, só prejudicam os consumidores.

“Não deixa de ser irónico que, quando a IATA continua a exigir do nosso setor cada vez mais garantias e a impor crescentes restrições à atividade, sejam os seus próprios associados a anunciar, uns atrás de outros, falências que deixam os consumidores sem solução, e os destinos e todos os seus ‘stakeholders’ afetados”, alertou o responsável pela APAVT.

Calcula-se que com a falência da Germania Airlines a Madeira tenha perdido 106 mil lugares no mercado alemão.

Recomendadas

Comissão de inquérito às listas de espera arranca com audição ao Iasaúde

A comissão de inquérito arranca com as audições na segunda-feira. Já estão confirmadas as de Pedro Ramos, secretário regional da Saúde, a António Correia de Campos, antigo ministro da Saúde, à direcção clínica e conselho de administração do SESARAM, e ao presidente da Ordem dos Médicos da Madeira.

Deco aconselha a recusar o couvert se não pediu e não quer

A lei que regula as atividades económicas do comércio, serviços ou restauração está estabelece que “nenhum prato, produto alimentar ou bebida, incluindo o couvert, pode ser cobrado se não for solicitado pelo cliente”. Informa ainda que, uma vez colocadas as entradas solicitadas pelo consumidor na mesa, não podem ser trocadas ou devolvidas.

Madeira gasta 2,4 milhões para assegurar meio aéreo de combate a fogos

A Região Autónoma vai gastar 2,4 milhões de euros para assegurar, até 2022, o meio aéreo de combate a incêndios, no âmbito de um protocolado com a Força Aérea Portuguesa.
Comentários