Apenas 14% das empresas paga atempadamente aos fornecedores

As microempresas representaram uma subida entre as que pagam com atrasos superiores a 90 dias, uma vez que passaram de 13,4% em 2009 para 16,1% em 2018.

No final de maio de 2019, apenas 14% das empresas em Portugal cumpria os prazos de pagamento às empresas fornecedoras. Apesar deste registo, a Informa D&B realça que o cenário “tem vindo a degradar-se nos anos recentes”, colocando Portugal como um dos países em que as empresas não cumprem os prazos de pagamento acordados.

As microempresas estão a contribuir significativamente para agravar este indicador em Portugal, uma vez que nos últimos 10 anos a percentagem de microempresas que cumpre os prazos de pagamentos recuou 12,5 pontos percentuais. Em 2009, 26,7% das microempresas pagavam aos seus fornecedores dentro dos prazos acordados, um valor que entretanto desceu para os 14,2% em 2018.

O problema que se verifica é que 95% do tecido empresarial nacional é composto pelas ditas microempresas. Estas empresas representaram ainda uma subida entre as que pagam com atrasos superiores a 90 dias, uma vez que passaram de 13,4% em 2009 para 16,1% em 2018.

Considerando a totalidade de tecido empresarial, a percentagem de empresas com atrasos superiores a 90 dias era de 9,4% no final de maio do presente ano. A maioria das empresas (65,2%) paga com um atraso até 30 dias. Atualmente, a média do atraso é de 28,9 dias.

Assim, o comportamento de pagamentos das empresas apresentou uma tendência oposta à dos outros países, que nos últimos dez anos têm mostrado uma redução significativa de empresas incumpridoras dos prazos de pagamento.

Os setores dos serviços financeiros, agricultura, florestas, caça e pesca e os serviços são os que registam mais empresas cumpridoras com prazos de pagamento, respetivamente 67,8%, 64,9% e 61,0%. A indústria é o setor com menos empresas cumpridoras, registando 38,1%.

Ler mais
Recomendadas

“O sol nasceu duas vezes”. De Londres a Sidney são 19 horas e 16 minutos de distância

O recente Boeing 787-9 Dreamliner, apelidado de ‘Longreach’ devido ao propósito das viagens, levantou voo do Reino Unido na manhã desta quinta-feira e aterrou em Sidney à hora de almoço de sexta.

Porto de Sines: ministro das Infraestruturas foi avaliar futuros investimentos

Só no terminal XXI, de contentores, está previsto um investimento superior a 660 milhões de euros, da responsabilidade do operador privado, a PSA, de Singapura.

Carga fiscal faz com que lucros da REN caiam 5% situando-se nos 86,3 milhões de euros

O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) foi de 368 milhões, o que representa uma queda de 2,7% face ao período homólogo, segundo a REN.
Comentários