Apenas 14% das empresas paga atempadamente aos fornecedores

As microempresas representaram uma subida entre as que pagam com atrasos superiores a 90 dias, uma vez que passaram de 13,4% em 2009 para 16,1% em 2018.

No final de maio de 2019, apenas 14% das empresas em Portugal cumpria os prazos de pagamento às empresas fornecedoras. Apesar deste registo, a Informa D&B realça que o cenário “tem vindo a degradar-se nos anos recentes”, colocando Portugal como um dos países em que as empresas não cumprem os prazos de pagamento acordados.

As microempresas estão a contribuir significativamente para agravar este indicador em Portugal, uma vez que nos últimos 10 anos a percentagem de microempresas que cumpre os prazos de pagamentos recuou 12,5 pontos percentuais. Em 2009, 26,7% das microempresas pagavam aos seus fornecedores dentro dos prazos acordados, um valor que entretanto desceu para os 14,2% em 2018.

O problema que se verifica é que 95% do tecido empresarial nacional é composto pelas ditas microempresas. Estas empresas representaram ainda uma subida entre as que pagam com atrasos superiores a 90 dias, uma vez que passaram de 13,4% em 2009 para 16,1% em 2018.

Considerando a totalidade de tecido empresarial, a percentagem de empresas com atrasos superiores a 90 dias era de 9,4% no final de maio do presente ano. A maioria das empresas (65,2%) paga com um atraso até 30 dias. Atualmente, a média do atraso é de 28,9 dias.

Assim, o comportamento de pagamentos das empresas apresentou uma tendência oposta à dos outros países, que nos últimos dez anos têm mostrado uma redução significativa de empresas incumpridoras dos prazos de pagamento.

Os setores dos serviços financeiros, agricultura, florestas, caça e pesca e os serviços são os que registam mais empresas cumpridoras com prazos de pagamento, respetivamente 67,8%, 64,9% e 61,0%. A indústria é o setor com menos empresas cumpridoras, registando 38,1%.

Ler mais
Recomendadas

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

ASF aprova norma que estabelece qualificação adequada para vendedores de seguros

A ASF entende que o reforço da qualificação “em impacto na qualidade da prestação de serviços, na diminuição da conflitualidade e do número de reclamações, o que, por seu turno, acarreta consequências positivas em termos reputacionais e da imagem do setor”.

Portugal vai “perder 200 milhões de euros num ano” mas Altice não vai “estorvar” compra da TVI

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.
Comentários