Apenas 21% dos portugueses reforçaram contas poupança no último ano, diz Cetelem

Os hábitos de poupança dos portugueses mantiveram-se no último ano. “Estarem atentos a promoções ou levar almoço para o trabalho são pequenos gestos que fazem já parte do dia a dia de muitos portugueses”, acrescenta o estudo.

Apenas 21% dos portugueses conseguiram fazer crescer as suas contas poupança nos últimos 12 meses, de acordo com o Observador Cetelem Literacia Financeira 2019.

Os hábitos de poupança dos portugueses parecem manter-se estáveis face a 2018, é o que revelam os dados do Observador Literacia Financeira, com 47% dos inquiridos a confirmar que poupam, muitas vezes através de hábitos que reduzem gastos. Segundo o estudo, aqueles que o fazem com regularidade mensal quase que duplicaram, passando dos 13% em 2018 para 22% este ano. Aumenta também a percentagem dos portugueses que dizem poupar de forma pontual, através dos subsídios de férias e de natal, ou dos prémios de produtividade (7% em 2018, para 14% em 2019). Regista-se uma ligeira diminuição dos que referem não fazer poupanças, que passou dos 46% em 2018 para 44% este ano.

Mas que estratégias de poupança usam os portugueses?

À semelhança do ano passado, o principal meio de poupança continua a ser a atenção às promoções (31%), ainda que se tenha registado uma descida de 5 pontos percentuais em comparação com 2018.

Tomar mais vezes o pequeno almoço em casa ganha relevância este ano: 19% dos inquiridos admite fazê-lo (mais 9,9 p.p. que em 2018); logo de seguida, levar o almoço para o trabalho (18%). Outras formas de poupança mencionadas foram a utilização de cupões (13%); a utilização de transportes públicos (8%); ir a pé para o trabalho (2%); ou ir de bicicleta (1%).

No último ano, 56% dos portugueses disseram ter colocado algum montante de parte, utilizando a conta a prazo como principal meio (21%). Já a alternativa da conta à ordem registou 14% das preferências entre os inquiridos pela Cetelem.

Nas conclusões é de salientar ainda o aumento da opção de poupança através de guardar dinheiro em casa, seja num mealheiro, cofre ou outro, que regista também 14%. Por fim, 7% investiram noutros produtos bancários.

Há 43% dos portugueses dizem estar parcialmente satisfeitos com o nível de poupanças do seu agregado familiar e apenas 1% estão totalmente satisfeitos. 35% não estão nem satisfeitos, nem insatisfeitos e 11% dizem estar parcialmente ou totalmente insatisfeitos.

O inquérito quantitativo do Observador Cetelem Literacia Financeira 2019 foi realizado pela empresa de estudos de mercado Nielsen e teve por base uma amostra representativa de 500 indivíduos residentes em Portugal Continental, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 74 anos de idade.

A amostra total é representativa da população e está estratificada por distrito, sexo, idade e níveis socioeconómicos e conta com um erro máximo associado de +/- 4.4 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95%.

A Cetelem diz que as entrevistas foram realizadas telefonicamente (CATI), com informação recolhida por intermédio de um questionário estruturado de perguntas fechadas. O trabalho de campo foi realizado entre 29 de julho e 2 de agosto de 2019.

Cetelem é a marca de consumer finance do Banco BNP Paribas Personal Finance, e está presente em Portugal desde 1993.

Ler mais

Recomendadas

Bloco quer valorização de salários que não fique “refém” da concertação social

O primeiro-ministro garantiu que não ficará dependente dos parceiros sociais, mas ignorá-los “nunca”.

“yourEUright”: consumidor está mais protegido quando compra online do que quando compra nas lojas

Os mais recentes números da Comissão Europeia mostram que 43% dos portugueses conhece os seus direitos, face a 49% da média europeia.

Preços das portagens nas autoestradas mantêm-se em 2020

Os preços das portagens nas autoestradas vão manter-se em 2020, tendo em conta a taxa negativa de inflação homóloga, sem habitação, de outubro, divulgada hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Comentários