Apoios públicos para prevenção e combate à violência doméstica somam 30 milhões de euros

Governo faz balanço de apoios públicos destinado este ano à prevenção e combate da violência contra as mulheres e violência doméstica, numa altura que últimos dados do Observatório de Mulheres Assassinadas apontam para 21 mulheres assassinada até 12 de setembro.

O financiamento público destinado este ano à prevenção e combate da violência contra as mulheres e violência doméstica ascende a 25 milhões de euros, estando ainda a correr projetos com financiamento europeu em mais de cinco milhões de euros, destinados designadamente ao apoio a estruturas e a respostas da rede nacional de apoio a vítimas. O balanço é do Executivo numa altura em que o Observatório de Mulheres Assassinadas contabilizou já 21 mulheres assassinadas por ex, atuais companheiros ou familiares muito próximos.

Em comunicado, a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade anuncia que “é  também intenção do Governo que todas as esquadras da PSP e postos da GNR tenham salas de atendimento às vítimas”, sinalizando Rosa Monteiro que cerca de 60% das instalações já estão dotadas destes espaços e todas as que estão em construção ou em remodelação têm prevista essa valência.

O apoios à prevenção e combate da violência contra as mulheres e violência doméstica são anunciados pelo Governo na semana em que foram revelados os últimos dados do Observatório de Mulheres Assassinadas. O número é expressivo: até quarta-feira, dia 12 de setembro, a União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) contabilizou 21 mulheres assassinadas (o mesmo nível de mortes do ano passado registado este ano em apenas oito meses e meio).

No seu relatório intercalar, a UMAR tinha já contado 16 mulheres mortas entre 1 de janeiro e 30 de junho, número que aumentou já para 21, havendo ainda sete casos por confirmar se são ou não femicídios.

Sobre estes números, Rosa Monteiro realça que “a violência contra as mulheres é um crime que envergonha o país, não obstante os esforços que os sucessivos Governos e a sociedade civil têm dedicado à prevenção e combate a esta forma violenta de discriminação contra as mulheres. Uma mulher assassinada bastaria para nos indignar e mobilizar coletivamente”.

A governante destaca ainda que têm sido várias as iniciativas adotadas no combate à violência contra as mulheres, desde a análise das situações de homicídio (com o arranque da Equipa de Análise Retrospetiva de Homicídio em Violência) e deteção de falhas, à abertura e apoio a estruturas de acolhimento e proteção das mulheres e crianças até ao reforço do apoio à sua autonomização.

“Diplomas publicados este ano têm vindo a melhorar o funcionamento da Rede Nacional de Apoio a Vítimas de Violência Doméstica. Serão apoiados programas de prevenção da violência doméstica, bem como de intervenção junto de grupos vulneráveis de mulheres migrantes”, acrescenta a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, destacando também que tem sido, também, realizado um trabalho de melhoria das respostas locais de atendimento, em articulação com os municípios, visando a cobertura nacional e a adequação às características e necessidades dos territórios.

Ao nível da formação, a governante dá conta que está em curso um projeto de formação de oficiais de justiça e forças de segurança que intervêm na área da violência doméstica. Na mesma linha, o Centro de Estudos Judiciários aumentou este ano as ações de formação para auditores/as de justiça. Está ainda a ser desenvolvido um projeto para formadores/as na administração pública nas áreas da saúde, educação, forças segurança, justiça e segurança social.

Em julho e agosto foram distribuídos, nas caixas de correio por todo o país, folhetos com informação, recursos e um apelo à apresentação de queixas ou denúncias, numa parceria entre a Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, a Associação de Direitos Humanos AKTO e os CTT. “O Governo tem estado, assim, empenhado na consolidação e reforço da prevenção e combate à violência contra as mulheres, assumida como prioridade na Estratégia Portugal + Igual 2018-2030, através do novo plano de ação nesta área, que assenta numa articulação estreita entre todos os setores da Administração Pública e a sociedade civil”, conclui Rosa Monteiro.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas. O que vai mudar nas reformas antecipadas?

As contas para a reforma são sempre complicadas, não só por causa da complexidade do sistema, qualquer que ele seja, mas porque os parâmetros estão constantemente a mudar. O ministro Vieira da Silva veio clarificar a lei.

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Bloco de Esquerda quer acordo escrito com o PS para dar mais clareza às propostas

“Tem de ter como base compromissos mais vastos, compromissos com o país, como recuperar as pensões ou baixar o número de alunos por turma ou ter mais manuais gratuitos”, afirma a coordenadora do BE, Catarina Martins, numa entrevista conjunta ao jornal “Público” e à “Rádio Renascença”.
Comentários