PremiumApós lucros, banca receia “faca” dos juros de Mário Draghi

Taxas de juro em mínimos permitiram aos bancos em Portugal ganhar com venda de dívida pública, mas novo corte poderá estrangular a rentabilidade.

“Os bancos vivem das taxas de juro”, disse Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta, esta quarta-feira na apresentação de resultados do primeiro semestre.

A susceptibilidade dos bancos aos voláteis ventos dos juros, para o bem ou para o mal, não é nova, mas esta semana saltou à vista em várias salas de conferência das instituições financeiras que operam em Portugal.

O primeiro semestre de 2019 foi, de forma geral, positivo para os principais bancos. O Santander aumentou os lucros em perto de 5%, o BCP em quase 13% e a Caixa Geral de Depósitos (CGD) brilhou com um disparo de 46% no resultado. O fator positivo transversal aos três bancos foi o contributo das mais-valias obtidas com a venda de títulos da dívida pública (ver quadro).

O ambiente de taxas de juro em mínimos históricos na zona euro incentiva a venda destes ativos – as yields descem e os preços dos ativos sobem. As mais-valias impulsionam assim os resultados de trading.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

CGD aumenta hoje comissões e cobra transferências no MB Way mas com isenções

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) começa hoje a cobrar mais pela manutenção de algumas contas e por transferências na aplicação MB Way, deixando, no entanto, algumas isenções nos aumentos.

Santander abre Work Café em Espinho

O Work café uma inovação em termos de agências bancárias, uma vez que junta no mesmo espaço um balcão de um banco e uma cafetaria.

Luanda Leaks: Autoridade Bancária Europeia já contactou “entidades competentes”

“Temos conhecimento desta situação, que acompanhamos há algum tempo”, afirma a instituição europeia de supervisão numa curta resposta escrita enviada hoje à agência Lusa.
Comentários