PremiumApós lucros, banca receia “faca” dos juros de Mário Draghi

Taxas de juro em mínimos permitiram aos bancos em Portugal ganhar com venda de dívida pública, mas novo corte poderá estrangular a rentabilidade.

“Os bancos vivem das taxas de juro”, disse Pedro Castro e Almeida, CEO do Santander Totta, esta quarta-feira na apresentação de resultados do primeiro semestre.

A susceptibilidade dos bancos aos voláteis ventos dos juros, para o bem ou para o mal, não é nova, mas esta semana saltou à vista em várias salas de conferência das instituições financeiras que operam em Portugal.

O primeiro semestre de 2019 foi, de forma geral, positivo para os principais bancos. O Santander aumentou os lucros em perto de 5%, o BCP em quase 13% e a Caixa Geral de Depósitos (CGD) brilhou com um disparo de 46% no resultado. O fator positivo transversal aos três bancos foi o contributo das mais-valias obtidas com a venda de títulos da dívida pública (ver quadro).

O ambiente de taxas de juro em mínimos históricos na zona euro incentiva a venda destes ativos – as yields descem e os preços dos ativos sobem. As mais-valias impulsionam assim os resultados de trading.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.
Comentários