PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.

Cristina Bernardo

A indústria 4.0 vai reforçar o papel da máquina no mercado de trabalho, o que vai obrigar a uma transformação dos postos de trabalho. Com o desenvolvimento das tecnologias, como o machine learning e a inteligência artificial, e também o processamento de cada vez mais dados de forma cada mais rápida, com a robotização e automação de processos, torna-se ainda mais premente preparar as empresas para ultrapassarem os desafios da digitalização da economia.

António Saraiva, presidente da CIP, defendeu que o caminho passa pela “requalificação dos recursos humanos”. “É o principal desafio que a sociedade portuguesa tem e, por isso, todos os responsáveis têm de incorporá-lo e vencê-lo”, explicou. Para tal, o “patrão dos patrões” defende “uma articulação correta entre o poder público, as empresas, as escolas e as universidades”.

Artigo publicado na edição semanal de 30 de agosto de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Governo aprova hoje o Programa de Estabilização. Apoio ao lay-off será em função da diminuição da faturação

Depois de ouvir os partidos políticos e os parceiros sociais, o primeiro-ministro, António Costa, adiantou que o Governo teria intenção de aprovar esta semana o documento e os titulares de algumas pastas já deram pistas sobre o que aí vem. Alterações ao regime de lay-off simplificado e das moratórias e medidas para apoio ao investimento deverão estar entre as medidas.
antónio_costa_silva_partex_4

António Costa Silva defende “pacto entre Estado e empresas”

António Costa Silva, gestor nomeado pelo primeiro-ministro para coordenar os trabalhos preparatórios do plano de relançamento da economia, defende, em entrevista à Lusa, um “pacto entre Estado e empresas” e um “equilíbrio virtuoso” com os mercados.

‘Reload’. Lagarde deverá recarregar hoje a ‘bazuca’ com arsenal de meio bilião de euros

O BCE tem estado a disparar as balas sem cerimónia e já gastou mais de 30% do ‘envelope’ de 750 mil milhões de euros no programa de emergência. A expetativa é que anuncie hoje um aumento para 1,25 biliões e um prolongar do programa até daqui a um ano, de forma a evitar especulação nos mercados. As novas projeções económicas também estarão sob foco.
Comentários