Apple e novos progressos nas negociações entre os EUA e a China impulsionam Wall Street

Esta manhã, a imprensa chinesa deu conta que a China propôs aumentar as importações de produtos agrícolas norte-americanos em troca de um alívio das tarifas às exportações chinesas e de um veto menos pesado à Huawei.

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 3, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

A bolsa de Nova Iorque abriu mista a sessão desta quarta-feira, com o índice tecnológico Nasdaq em trajetória negativa. Mas minutos após a abertura, o Nasdaq acompanhava a tendência de ganhos do S&P 500 e do industrial Dow Jones.

Wall Street está com ganhos superiores a 20%. Às 14h49, horas portuguesas, o Nasdaq avançava 0,39%, para 7.845,26 pontos; seguido pelo Dow Jones, que ganhava 0,27%, para 26.980,89 pontos. O S&P 500 subia 0,22%, para 2.986,03 pontos.

Destaque para novos progressos nas negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China. Esta manhã, a imprensa chinesa deu conta que a China propôs aumentar as importações de produtos agrícolas norte-americanos em troca de um alívio das tarifas às exportações chinesas e de um veto menos pesado à Huawei.

As duas maiores economias do mundo vão reunir-se pela décima terceira vez no início do próximo mês.

O analista de mercados do Millennium bcp, Ramiro Loureiro, explicou que “a reação positiva à apresentação de novos modelos da Apple é um dos catalisadores da sessão”. Os títulos da Apple estão a subir 1,77%, para 220,54 dólares.

A Apple apresentou esta terça-feira três novos modelos de iPhones, cujos preços começam nos 699 dólares, e a divulgou que a subscrição da plataforma de streaming  Apple Tv + custará 5 dólares por mês, em clara competição com a Netflix ou a HBO.

Ainda na tecnologia, as ações da Uber e da Lyft, as mais importantes operadoras de mobilidade urbana nos Estados Unidos, estão em queda depois de o Estado da Califórnia ter aprovado legislação que terá implicações no modelo de negócios das empresas tecnológicas. Ambas as empresas terão agora de registar os condutores como empregados em vez de contratados, o que afectará cerca de um milhão de trabalhadores naquele Estado.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está em alta. O barril de Brent, referência para o mercado europeu, está a negociar nos 62,86 dólares depois de subir 0,83%. Nos EUA, o West Texas Intermediate ganha 0,80%, para 57,79 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Wall Street fecha misto com Apple em destaque no Nasdaq

Ao início da tarde desta terça-feira, a Ford – que viu a Moody’s baixar o seu ‘rating’ de crédito para ‘junk’ – esteve a liderar as perdas no S&P 500, mas acabou por recuperar e fechar com um ganho de 2,12%, para 1,164 dólares.
Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha em queda apesar da subida das papeleiras

A pressionar o mercado estiveram, entre outras, as ações do BCP, da NOS e da Jerónimo Martins. Na Europa o verde dominou os mercados ajudados pelos novos inputs sobre a guerra comercial, que sinalizam uma aproximação entre os EUA e a China para fecharem o acordo de “fase um”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).
Comentários