Apritel acusa Anacom de manipular informação sobre os preços das telecomunicações

Operadores e regulador continuam a divergir na leitura dos dados dos preços nas telecomunicações. Associação que representa Altice, NOS e Vodafone diz que os preços desceram. Anacom divulgou na sexta-feira que preços no país estão 16 pontos percentuais acima da média da UE.

Secretário-geral da Apritel, Pedro Mota Soares | Foto Cristina Bernardo

Os preços das telecomunicações em Portugal continuam a provocar atrito entre a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) e a associação que representa os principais operadores do mercado nacional. Após o regulador ter defendido que os preços das telecomunicações no país continuam mais caros do que a média da União Europeia (UE), os operadores veem a terreiro acusar a Anacom de manipular os dados disponíveis e de veicular “informação incorreta e uma visão totalmente distorcida da evolução dos preços”.

“A Apritel considera inaceitável que o regulador sectorial manipule a informação publicada por autoridades independentes como o Eurostat, transmitindo uma visão distorcida e falsa sobre a evolução dos preços das comunicações em Portugal aos portugueses, pelo que manifesta a sua forte indignação”, lê-se num comunicado enviado à redação.

Nesse sentido, o organismo liderado por Pedro Mota Soares insiste que “em Portugal os preços desceram, não aumentaram”. A associação que representa Altice, NOS e Vodafone reitera o que já tinha divulgado a 25 de fevereiro, que a evolução do cabaz de preços dos serviços de telecomunicações para o período de janeiro de 2019 a janeiro de 2021 caiu 5,52%, “enquanto na média da UE os preços se mantiveram”. Citando dados do Eurostat, a Apritel garante mesmo que a competitividade do sector saiu “reforçada”, nos últimos doze meses, porque o Eurostat indica que os preços caíram “1,9%, enquanto na UE apenas desceram 0,3%”.

Ora, o que o regulador disse foi algo diferente. Partindo dos dados do Eurostat, a Anacom informou que, nos últimos doze meses, “a taxa de variação média dos preços das telecomunicações em Portugal foi de -1,9%, 1,8 pontos percentuais abaixo do registado” pelo Índice de Preços do Consumidor, cujo sub-índice que mede os preços das telecomunicações deslizou 0,1% em janeiro. Assim, Portugal ocupa “o 21.º lugar no ranking das variações mais elevadas” e é o sétimo país da UE a registar as variações mais baixas nos preços das telecomunicações.

A Anacom indicou, por isso, que apesar de Portugal ter registado uma diminuição de preços no último ano a redução “é insuficiente para anular a desvantagem da situação portuguesa face à média da UE, que se prolonga há mais de uma década”.

Mas a Apritel assegura, agora, que essa informação está errada porque, “não só a taxa de variação média do índice preços foi negativa, como a descida de preços foi superior à média europeia”. “Assim é objetivamente incorreto e enganador falar em aumentos de preços quando o que sucedeu em Portugal foi uma descida de preços”, lê-se no comunicado.

A Apritel argumenta, ainda, que a Anacom ao referir que o “aumento dos preços das telecomunicações em Portugal supera em 16 pontos percentuais a redução observada na União Europeia”, está a retratar de “forma incorrecta e pouco transparente o que verdadeiramente se verifica”.

A Ancom também afirmou que “entre o final de 2009 e janeiro de 2021, os preços das telecomunicações em Portugal aumentaram 6,4%”. Ora, para a Apritel, a afirmação é “enviesada”, porque não contempla “a evolução do índice de inflação em Portugal no mesmo período, que foi  cerca de 11%, o que dá nota mais clara do índice de preços no sector, muito abaixo da inflação total”.

O organismo liderado por Pedro Mota Soares acusa, ainda, o regulador, que é liderado por João Cadete de Matos, de “ignorar que nos últimos 3 anos, o índice de preços das comunicações eletrónicas tem variado sistematicamente abaixo do nível geral de preços nacional, não fazendo qualquer menção desta evolução recente, optando por enfatizar o período dos últimos dez anos, período esse em que ocorreram alterações da estrutura de consumo no mercado (a convergência fixo/móvel, por exemplo)”.

“A Apritel considera inaceitável a visão da Anacom sobre a evolução dos preços das comunicações eletrónicas, a qual transmite uma imagem incorreta do setor das comunicações eletrónicas e de Portugal, pelo que manifesta a sua total indignação”, conclui o comunicado.

No final de janeiro, a Anacom tinha divulgado que os preços nas telecomunicações em Portugal tinham subido 6,5% em 11 anos, entre final de 2009 e dezembro de 2020, enquanto na UE tinham diminuído 10,8%, o que levou a Apritel a acusar o regulador de ter uma “distorcida visão” da evolução dos preços.

Ler mais
Relacionadas

Preços das telecomunicações em Portugal estão 16 pontos percentuais acima da média da UE

Anacom divulgou esta sexta-feira uma análise à evolução dos preços relativa a janeiro de 2021. Regulador nota uma redução dos preços em Portugal, face à média europeia. Mas conclui que quebra é insuficiente para aproximar Portugal dos preços na UE. Nos últimos 12 anos, os preços subiram cresceram 6,4%, enquanto na UE caíram 9,9%.

Preços das comunicações descem mais em Portugal do que na Europa, diz Apritel

O preço das comunicações desce “mais em Portugal do que na Europa”, divulgou esta quinta-feira a associação dos operadores Apritel, citando dados recentes do Eurostat, que “comprovam mais uma vez a forte dinâmica” do mercado português.
Recomendadas

JPMorgan reconhece “erro de cálculo” quanto à reação dos adeptos à Superliga

O banco norte-americano sofreu uma forte onda de críticas, à semelhança das restantes entidades envolvidas, garantindo que irá aprender com o erro de cálculo.

Resultados operacionais da CUF caíram 24% em 2020, para 533,5 milhões de euros

No ano passado, a participada do Grupo José de Mello para o sector da saúde apresentou um resultado líquido consolidado negativo de 23,8 milhões de euros.

Comissão Europeia aprova ajuda intercalar de 462 milhões de euros à TAP

Bruxelas considera que a medida de apoio portuguesa à companhia aérea nacional, para compensar a empresa pelos prejuízos sofridos devido à pandemia está “em conformidade” com as regras da União Europeia.
Comentários