Aquisição de imóveis por não-residentes chegaram aos 13,3% do valor total transacionado

O Algarve ultrapassou Lisboa como a região que mais atraiu o investimento imobiliário por não-residentes, na maioria deles franceses e britânicos.

As aquisições de imóveis por não-residentes representaram, em 2019, 13,3% do valor total transacionado, isto em 8,5% das transações, como revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Estes valores representam ligeiras subidas em relação aos verificados em 2018, quando os não-residentes foram responsáveis por 13,0% do valor total transacionado em 8,2% das transações.

Ainda assim, o número de imóveis adquiridos por não-residentes diminuiu em 2019, com menos 2% de transações, tendo o valor transacionado crescido apenas 1%.

Em termos do valor médio dos prédios adquiridos, 176.429 euros, este continua a ser consideravelmente superior à média total, ficando 57% acima do valor médio de uma transação imobiliária em Portugal. Considerando apenas os imóveis adquiridos por 500.000 euros ou mais, o preço médio nesta subcategoria foi de 923.016 euros, um aumento de 3,2% em relação a 2018.

Os maiores compradores de imóveis em Portugal são os franceses, que concluíram 18,1% das transações com não-residentes. Seguem-se os britânicos, com 17,3%, e os brasileiros, com 7,7%. É de destacar que estes países, juntamente com a Alemanha e China, representam 54,8% do valor global das vendas de imóveis a não-residentes.

Outro dos dados salientados pela publicação é o valor médio dos imóveis adquiridos por chineses, 373.071 euros, que chega a mais do dobro da média das compras por não-nacionais.

O Algarve tomou a posição cimeira como a região com a maior parcela do valor movimentado por não-residentes na aquisição de imobiliário, dado o crescimento de 6,1% face a 2018, juntamente com a desaceleração das compras na área metropolitana de Lisboa, onde se registou um valor 8,5% mais baixo do que em 2018. Assim, o Algarve representou 37,7% do valor total das aquisições de imóveis por não-residentes, ao passo que Lisboa registou 35,8%.

Ler mais

Relacionadas

Preços das casas desaceleram para 7,8% no segundo trimestre

Este valor equivale a menos 2,5 pontos percentuais (p.p) do que o verificado no trimestre anterior. Por outro lado, o valor das transações diminuiu 15,2% quando comparado com o trimestre anterior.
Recomendadas

Governo da Madeira adjudicou empréstimo de 458 milhões de euros sem aval do Estado

A Região Autónoma da Madeira foi autorizada em sede de Orçamento Suplementar do Estado a contrair um empréstimo até 10% do PIB regional de 2018 – 495 milhões de euros – para fazer face à crise provocada pela pandemia.

Vindimas 2020: No Dão, menos rendimento, mas vinhos “fantásticos”

No Dão, a realidade foi semelhante, como região de clima moderado a frio a antecipação foi ainda superior, sendo de cerca 3 semanas.

Portugueses mais preocupados com poupança e com “desconforto” para contrair empréstimos

O inquérito “Observatório Tendências 2020”, realizado pelo Grupo Ageas Portugal e e a Eurogoup Consulting Portugal, concluiu que 39% dos inquiridos sentiram um aumento das necessidades de poupança por causa da pandemia e que preferem não contrair um empréstimos nos próximos meses.
Comentários