Arábia Saudita confirma que Khashoggi foi assassinado no consulado em Istambul

O rei saudita Salman demitiu cinco autoridades por causa do incidente, que causou protestos internacionais. Foram também detidos 18 cidadãos e foi ordenada uma reestruturação aos serviços secretos sauditas.

A Arábia Saudita confirmou que Jamal Khashoggi foi morto no consulado em Istambul, no seguimento de uma luta, segundo noticia a agência Reuters. Esta é a primeira vez que o país admite a morte depois de o desaparecimento do jornalista, há duas semanas, ter levado a duras críticas e tensão de vários países, incluindo os EUA.

O rei saudita Salman demitiu cinco autoridades por causa do incidente, que causou protestos internacionais. Foram também detidos 18 cidadãos e foi ordenada uma reestruturação aos serviços secretos sauditas.

O presidente dos EUA, Donald Trump, reagiu no Twitter e afirmou que a informação é credível. Mas os legisladores norte-americanos, citados pela Reuters, consideraram difícil acreditar, sinalizando uma batalha sobre quais as ações poderiam ser tomadas contra a Arábia Saudita, um importante aliado do Ocidente.

A Arábia Saudita não forneceu nenhuma informação que explicasse as circunstâncias que levaram à morte de Khashoggi e não ficou claro se outros governos estariam satisfeitos com ela.

O saudita de 60 anos residente nos EUA, que trabalhava para jornais como o Washington Post, era uma das vozes mais críticas do rei saudita. Jamal Khashoggi entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 2 de outubro para pedir um documento que lhe permitisse casar com uma cidadã turca e nunca mais foi visto.

Recomendadas

Uber pode comprar rival saudita Careem Networks por 2,6 mil milhões de euros

A Uber quer entrar em bolsa com uma valorização de 106 mil milhões de euros e isso inclui a aquisição da saudita Careem Networks, por 2,6 mil milhões de euros.

Venezuela: dois aviões russos com 100 soldados aterram no aeroporto de Caracas

As ligações entre Moscovo e a Venezuela ficaram mais fortalecidas nos últimos meses, após o agravamento das relações entre os EUA e a Venezuela. Em dezembro, a Rússia enviou dois aviões da força aérea como parte de um exercício militar.

Theresa May tenta sobreviver ao caos que se instalou no seu próprio governo

A política britânica parece ter-se transformado numa sucessão de conspirações ou de teorias sobre elas, num quadro em que ninguém acredita que a primeira-ministra tenha condições para levar à Câmara dos Comuns um qualquer documento que possa ser aceite pela maioria.
Comentários