Arábia Saudita considera que petróleo deve ser “bem equilibrado” este ano

O assessor do ministro da Energia da Arábia Saudita, Ibrahim al-Muhanna, afirmou esta sexta-feira que é possível que os cortes na produção de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) venham a estender-se até ao final do ano.

A Arábia Saudita considera que o mercado do petróleo deve ser “bem equilibrado” este ano. O assessor do ministro da Energia da Arábia Saudita, Ibrahim al-Muhanna, afirmou esta sexta-feira que é possível que os cortes na produção de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) venham a estender-se até ao final do ano.

“Este ano, assistimos à implementação da decisão da OPEP. É possível estender o corte [na produção] até ao final do ano”, afirmou Ibrahim al-Muhanna, na reunião da organização intergovernamental que junta 14 países produtores de petróleo, em Paris.

Depois de a OPEP ter decidido, em dezembro de 2018, cortar na produção a par das sanções impostas à Venezuela e ao Irão, o preço do petróleo no primeiro trimestre de 2019 recuperou face à queda registada no final de 2018. O barril do Brent, que serve de referência a Portugal, avançou cerca de 20% para os 71,52 dólares, atingindo um valor máximo de cinco meses.

A OPEP reduziu a produção em 543.000 barris por dia, em março, até atingir uma produção conjunta de 30 milhões de barris por dia, um valor inferior à procura estimada pelo cartel para este ano e que é de 30,3 milhões de barris diários.

Esta decisão da OPEP foi conhecida em dezembro e o impacto da medida começou a surtir efeitos no mercado logo naquele mês, invertendo as quedas no preço.

A impulsionar os preços têm ainda estado os sinais económicos mais encorajadores vindos da China e um maior otimismo sobre o curso das negociações comerciais entre Washington e Pequim, ainda que tenha sido a decisão da OPEP de cortar na produção que mais pesou nesta tendência de subida.

A escalada de violência na Líbia veio, mais recentemente, juntar-se aos fatores que já estavam a pressionar os preços do petróleo.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários