Arábia Saudita: Recuperação dos preços do petróleo e infraestruturas vão ditar ritmo de recuperação económica

A diversificação económica planeada pela Arábia Saudita vai desenvolver-se de forma lenta, mantendo uma forte dependência das receitas do petróleo e do impulso estatal, antevê a CyC.

9. Arábia Saudita

A Arábia Saudita deverá registar uma fase de recuperação económica com “um crescimento modesto em 2018 (1,0%) e 2019 (2,0%), graças à recuperação dos preços do petróleo e aos investimentos em infraestruturas, como o Metro de Riad ou a cidade futurista de Neom”, avança o mais recente Country Report divulgado pela Crédito y Caución (CyC) sobre o Médio Oriente e Norte de África (região MENA).

Apesar de em 2017 o PIB ter contraído 0,7% devido aos cortes na produção petrolífera acordados pela OPEP, recorda a especialista em seguro de crédito interno e de exportação em Portugal, as medidas de austeridade, como o aumento do preço da gasolina ou os cortes nos subsídios do Estado, ajudaram a reduzir o défice orçamental próximo dos 13% do PIB em 2016 para cerca de 9% em 2017. No entanto, a data definida como meta para alcançar o equilíbrio orçamental foi adiada de 2020 para 2023, na medida em que o enfoque mudou do ajustamento fiscal para o apoio ao crescimento a longo prazo.

Certos de que a Arábia Saudita enfrenta grandes desafios que marcarão o futuro deste mercado nos próximos 15 anos, os analistas sublinham a atual agitação no Médio Oriente, geradora de graves problemas de segurança nos vizinhos Iraque e Iémen, ou a crescente influência iraniana, rival tradicional pela hegemonia na região do Golfo, impulsionaram a Arábia Saudita a desenvolver uma política externa mais assertiva.

A diversificação da economia ocupa um lugar de destaque na agenda política da Arábia Saudita. Em 2016, o governo anunciou uma reforma de grande alcance denominada “Saudi Vision 2030”. O objetivo deste plano é transformar a economia nos próximos 15 anos, diversificando o crescimento, reduzindo a dependência do petróleo, assegurando a sustentabilidade das finanças públicas a longo prazo, aumentando o papel do setor privado e criando mais empregos. Resta saber se a Arábia Saudita irá manter a sua vontade em implementar estas reformas económicas de grande alcance. Se assim for, a Crédito y Caución prevê que a diversificação se desenvolva lentamente, o que manterá a economia fortemente dependente das receitas petrolíferas e do apoio estatal.

Outro desafio pendente é a empregabilidade da população saudita. O relatório lembra que, atualmente, os sauditas ocupam 90% dos empregos no setor público, mas apenas 19% no setor privado. “Os planos para substituir a mão de obra estrangeira mais barata por cidadãos sauditas são prejudicados pela rigidez das leis laborais e pelo desajustamento nas competências”, refere o relatório.

Recomendadas

Rui Patrício nomeado para Fundação Coleção Berardo após demissão de administrador do Estado

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, nomeou o advogado para a administração da fundação no seguimento da renúncia ao mandato de João Nuno Azevedo Neves. Demissão de administrador nomeado pelo Estado surge no âmbito do processo de guarda do arresto das cerca das 1.000 obras de arte José Berardo que estão no CCB , tal como noticiado nesta terça-feira, 17 de Setembro pelo Jornal Económico.

UTAO: Novo Banco atira défice para 0,8% do PIB no 1.º semestre

O valor estimado pela UTAO para o semestre fica aquém da meta do Governo para o conjunto do ano, de 0,2% do PIB, “sem, contudo, colocar em causa o seu cumprimento”, consideram os técnicos do parlamento.

Região norte é a que mais cresce no setor do turismo em Portugal

O Porto e norte de Portugal afirmou-se, durante o mês de Julho, como o destino que mais cresce na actividade turística no todo do contexto nacional. Dormidas totais registam aumento de perto de 12%,  o que corresponde a 1,1 milhões de dormidas.
Comentários