ARM recebe três milhões de euros para subsidiar água de regadio

Em 2019 está prevista a atribuição de 2,2 milhões de euros e em 2020 mais 835 mil euros.

A Água e Resíduos da Madeira (ARM) vai receber três milhões de euros, do Governo Regional, como compensação financeira, pela subsidiação da água de regadio praticado pela empresa ao consumidor final, de acordo com resolução publicada, esta quinta-feira, em jornal oficial.

Está programado que em 2019 a ARM receba 2,2 milhões de euros de compensação financeira, enquanto que em 2020 estão programados mais 835 mil euros.

De referir que em setembro 2018 foi estabelecido um contrato-programa, entre o Governo Regional e a ARM, relativo à subsidiação do preço de venda de água para regadio.

Nessa resolução, entre outras, coisas à salientada a importância do sector agrícola no atual contexto económico, social e ambiental da região, bem como “os elevados constrangimentos” do setor, em que se inclui a “reduzida dimensão das parcelas agrícolas, a orografia, e a própria localização”, fatores que obrigam à subsidiação dos preços da água de rega para “incentivar e assegurar a rentabilidade mínima” da atividade.

Recomendadas

Madeira mantém dois casos ativos e alerta para “desconfinamento inseguro” no país

Pedro Ramos destacou a operação de rastreio de viajantes nos aeroportos da Madeira e Porto Santo, em vigor desde o dia 01 de julho, na sequência de uma resolução do executivo, de coligação PSD/CDS-PP, que substituiu o regime de quarentena pela obrigatoriedade de os passageiros apresentarem um teste negativo realizado até 72 horas antes do início da viagem, ou, então, a efetuá-lo à chegada.

Hospital dos Marmeleiros beneficia de empreitada de reabilitação de interiores

A obra tem um custo de 1,4 milhões de euros, tem um prazo de 20 meses, e está a cargo da RIM – Engenharia e Construções.

CDS-PP quer isenção de rendas no comércio do Funchal até setembro

Os centristas consideram fundamental que o executivo camarário do Funchal tome medidas que ajudem a desenvolver o comércio local e a retoma da atividade económica.
Comentários