Arranca esta segunda-feira a primeira fase de vacinação contra a gripe

A primeira fase vai contar com cerca de 350 mil doses de vacina, que se destinam aos profissionais de saúde que prestam serviços ao público, grávidas e idosos residentes em lares.

Karoly Arvai/Reuters

A primeira fase de vacinação contra a gripe arranca esta segunda-feira, 28 de setembro, em todo o país. Idosos residentes em lares, profissionais de saúde e grávidas são a prioridade.

Para esta campanha, o Serviço Nacional de Saúde disponibiliza 335 mil doses. Para evitar saídas e minimizar o risco, os idosos residentes em lares serão vacinados no próprio local por enfermeiros que se deslocarão às próprias instituições.

Depois desta primeira fase, a vacinação será alargada, a partir do dia 19 de outubro e vai incluir outros grupos de risco, nomeadamente as pessoas com mais de 65 anos e aqueles com doenças crónicas. Este ano também têm acesso à vacina sem pagar as pessoas imunodeprimidas e os estudantes em estágios clínicos.

A Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, revelou, dia 18 de setembro, durante a conferência de imprensa diária sobre o impacto da Covid-19 no país que este ano foram adquiridas mais de dois milhões de doses a duas duas empresas diferentes. Uma das firmas antecipou a entrega da encomenda e forneceu 150 mil doses às administrações regionais de saúde, aos Açores e Madeira.

Recomendadas

Governo vai ter de responder a providência cautelar do Chega contra restrições à circulação sem estado de emergência

Supremo Tribunal Administrativo dá 24 horas ao Conselho de Ministros para se pronunciar sobre alegação de inconstitucionalidade da resolução que proíbe deslocações entre concelhos das 00h00 de sábado até às 06h00 da próxima terça-feira.

Covid-19: Antiviral remdesivir já rendeu à fabricante 766 milhões de euros

Devido às vendas do remdesivir, inicialmente desenvolvido em vão contra a febre hemorrágica do Ébola, o grupo viu o seu volume de negócios trimestral aumentar 17%, para 6,58 mil milhões de dólares.

Marta Temido: “Quem vota contra quer outro modelo ou desistiu de melhorar o SNS”

Numa intervenção em plenário no segundo dia de debate da proposta de Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, na Assembleia da República, Marta Temido defendeu que no atual contexto de pandemia de covid-19 “o Serviço Nacional de Saúde (SNS) demonstrou resiliência e continuará a fazê-lo com novas respostas”.
Comentários