As contas do Governo: Quanto é que vai custar o descongelamento total das carreiras dos professores?

As contas do Governo para a recuperação do tempo de serviço dos professores estão a gerar críticas entre as diferentes bancadas parlamentares, que acusam o Executivo socialista de não revelar os números corretos do impacto orçamental da medida. Saiba o que está por detrás dos números.

Cristina Bernardo

A questão do impacto orçamental da recuperação do tempo de serviço dos professores foi um dos argumentos utilizados pelo Partido Socialista (PS) para chumbar a garantia de reposição do tempo integral exigido pelos sindicatos. O Ministério das Finanças indica que a recuperação total do tempo de serviço dos professores terá um impacto na despesa permanente com salários de docentes é de 635 milhões de euros por ano, a que se somam outros custos.

Traduzindo por miúdos: o Ministério das Finanças prevê que o descongelamento na carreira docente corresponda a um aumento da despesa de 574 milhões de euros por ano até 2023. Cada docente, representa um aumento do salário médio de 15%, equivalente a 309 euros brutos por mês, entre 2018 e 2023. Com o descongelamento, cerca de 20.000 professores passam para o último escalão, passando a ganhar cerca de 3.364,63 euros mensais.

A despesa decorrente do descongelamento nas carreiras, que decorre da lei do Orçamento do Estado 2018 (OE2018) é, de acordo com o Governo, “aplicado pela primeira vez integralmente sem quaisquer constrangimentos, razão pela qual os custos são especialmente elevados”. Tendo em conta essa situação, os 574 milhões de euros de despesa prevista pelo descongelamento fazer-se-ão sentir todos os anos.

No caso do descongelamento dos nove anos, quatro meses e dois anos, cuja garantia de reconhecimento foi aprovada esta quinta-feira no Parlamento, o impacto na despesa permanente com salários de docentes é de 635 milhões de euros por ano. Se forem incluídas outras carreiras, o custo do descongelamento total exigido pelos professores terá um custo total de 800 milhões de euros.

A este montante acrescem os montantes previstos para o descongelamento, o faz um total de 1.209 milhões de euros por ano em 2023, só para os professores. Segundo o Governo, “o custo com progressões seria equivalente a um crescimento de 33% da massa salarial em 2023”. Se o descongelamento se estender a outras carreiras, a despesa anual será de 1.374 milhões de euros.

Esta quinta-feira, foi aprovada na comissão de Educação e Ciência a garantia do reconhecimento do tempo integral de serviço dos professores que foi congelado, com o voto contra do Partido Socialista (PS). Esta era uma das reivindicações dos sindicatos desde novembro de 2017, que sempre foi recusada pelo Governo e que deve agora ser consagrada no novo diploma que vai substituir o decreto-lei do Governo que reconhece a recuperação de cerca de dois anos, nove meses e 18 dias.

As propostas de alteração aprovadas na especialidade prevêem ainda que a recuperação dos dois anos, nove meses e 18 dias seja aplicada a todos os professores a partir de 1 de janeiro deste ano. Os efeitos remuneratórios e o impacto orçamental da medida foi, no entanto, adiado para 2020. A medida foi aprovada com os votos a favor do PSD e CDS, a abstenção do PCP e BE, e o voto contra do PS.

Pelas contas do Governo, o descongelamento dos dois anos, nove meses e 18 dias corresponde, até 2023, a um custo de 770 milhões de euros anuais face ao cenário de congelamento.

Entre 2019 e 2021, quando fica completa a recuperação dos cerca de três anos do tempo de serviço dos professores, cada professor deve ter um aumento médio salarial de cerca de 13,4%, o que representa um esforço financeiro de 503 milhões por ano. Destes 503 milhões de euros, 196 milhões resultam da mitigação dos efeitos do congelamento na carreira dos docentes (240 milhões de euros incluindo as outras carreiras especiais).

Ler mais
Relacionadas

UGT diz que solução para professores abre expectativas para restantes carreiras

“A UGT está satisfeita com esta decisão, que é o respeito pelas legitimas expectativas de quem lhes foi sonegado o direito de verem o seu tempo de trabalho contado para todos os efeitos, seja de carreira, seja de reforma”, disse à Lusa.

Quais os próximos passos para os professores recuperarem na totalidade o seu tempo de serviço?

Depois de o Parlamento ter aprovado em sede de especialidade a garantia de recuperação total do tempo de serviço dos professores, é agora em plenário que a medida será formalizada e consagrada no diploma final.

Santos Silva: Bloco e PCP estão a pôr em causa “sustentabilidade” da geringonça

O ministro dos Negócios Estrangeiros deixou fortes críticas à “coligação negativa” que aprovou o descongelamento da carreira dos professores, em particular aos dois partidos que fazem parte da geringonça.

CGTP exige igualdade para todos os funcionários públicos e não só para os professores

“Quanto ao futuro, parece-nos que, iniciado o processo para resolver o problema da contagem de tempo dos professores, é preciso também avançar com o princípio da igualdade de tratamento relativamente a todos os profissionais da administração pública”, salientou Arménio Carlos.

Inconstitucional ou não? O que pensam os partidos sobre a recuperação total do tempo de serviço dos professores

Em causa está o reconhecimento dos nove anos, quatro meses e dois dias que os sindicatos exigiam, mas, entre as bancadas parlamentares, as opiniões dividem-se quanto à constitucionalidade da medida e o impacto orçamental que esta terá.

Catarina Martins diz que ambiente de crise política é “totalmente artificial”

Líder bloquista reage a notícias que dão conta da possibilidade de o Governo apresentar demissão devido à reposição integral do tempo de serviço dos professores. E recorda que o PS já tomou essa decisão na Região Autónoma dos Açores.
Recomendadas

António Costa não vai mexer no dossiê dos professores: “É um assunto bem encerrado”

O primeiro-ministro e fontes próximas do mesmo indicaram ao “Expresso” que a reestruturação da carreira docente está fora do programa do PS para as próximas legislativas.

António Costa diz que chumbo da contagem total do tempo dos professores foi “uma vitória da responsabilidade”

O primeiro-ministro considera que o resultado da votação em plenário esta sexta-feira é “clarificador” e respeita o princípio da equidade, equilibrando as contas públicas e mantendo a credibilidade internacional.

Mário Nogueira agradece a António Costa a decisão de continuar à frente da Fenprof

“O PS, o Governo e António Costa ajudaram-me a tomar uma decisão. Irei ser secretário-geral da Fenprof se o congresso assim decidir em 15 de junho, porque o Governo, o PS e António Costa merecem que a luta continue e eu estou disponível para a liderar”, disse hoje o secretário-geral da Fenprof.
Comentários