As eleições e a nova “Madeira Nova”

Assisti, expectante, a novos movimentos político-sociais que pareciam querer alterar a habitual dinâmica partidária por uma preferência de voto mais “pessoal”. Na verdade, verifica-se hoje em dia que está em voga a proclamação dos chavões “voto em pessoas, ideias, não em partidos”, ou “abaixo as maiorias, pois não são boas para a democracia”.

Não querendo maçar os meus 2 únicos leitores com as habituais questões que levanto, sobre ineficácia e falta de bom senso nas leis laborais, procurarei hoje interpretar – dentro da minhas naturais (in)competências – os resultados eleitorais de Setembro de 2019, em especial, na Região Autónoma da Madeira. E faço-o, porque é exactamente em resultado destas eleições (e de outras iguais) que, se perpetuam as leis desadequadas, a burocracia, o despesismo, a corrupção, a falta de “accountability” e, consequentemente, toda a fraca competitividade do nosso país.

Assisti, expectante, a novos movimentos político-sociais que pareciam querer alterar a habitual dinâmica partidária por uma preferência de voto mais “pessoal”. Na verdade, verifica-se hoje em dia que está em voga a proclamação dos chavões “voto em pessoas, ideias, não em partidos”, ou “abaixo as maiorias, pois não são boas para a democracia”.

Independentemente do mérito destas concepções, a verdade é que, por trás da máscara “democrática” destes pregões, esconde-se uma “partidocracia” que continua a gerir os destinos do nosso país com as maleitas que acima identifiquei. Continua a haver a “esquerda” e a “direita”, o “centro” e os extremistas. Mas, pior, verifica-se que há cada vez mais uma mistura de conceitos (propositada para atrair o voto do contribuinte), mascarada de democrática pluralidade de escolha e, legitimada por uma comunicação social subserviente dos poderes instalados, em troca de palco, e espectadores.

Senão, vejamos, na Madeira, (onde resido), vi partidos que ficaram com 50% da sua representatividade parlamentar reduzida – a festejar – pois seriam agora, membros de pleno direito, do Governo Regional. Ou seja, naquele caso, “mais valeu um tacho, do que um deputado”. Outros, preocupados em eliminar o “monstro” da maioria diabolizada, concentraram os seus próprios votos noutro partido, promovendo, sob a infantil capa do “voto útil”, uma autofagia colectiva, que os obliterou da assembleia legislativa nos próximos 4 anos, com sérias possibilidades de fazer esquecer permanentemente os seus projectos ideológico partidários.

Tudo isto, numa região em que a mudança é sempre assimilada lentamente, onde se procura que não haja grandes surpresas, onde a constância, a segurança e a calma são valorizadas, em comparação com a rotura e a novidade.

No entanto, o quadro é agora, diferente. Ao que tudo indica, pela primeira vez, e ao fim de 43 anos de eleições em regime democrático, a Região terá de sobreviver num governo de coligação, onde o interesse da população terá, necessariamente, de se sobrepor à necessidade partidária de promoções, lugares, poderes ou disputas.

A verdade é que todos têm as suas “capelinhas”, mas convém não esquecer que a população da Madeira é a “catedral” onde todas essas capelinhas vão ter de se sentar….

Pelo que, se não houver bom senso e diplomacia, sempre com o superior interesse das populações em conta, poderemos cair numa anarquia governativa com exemplos recentes, (Itália, Espanha, Grécia), que bloqueiam ainda mais o crescimento e o desenvolvimento sustentado do País, e da nossa Região.

Recomendadas

As afinidades electivas do Coronavírus

“O coronavírus não gosta de teatro, nem de espectáculos, nem da cultura em geral”. E mais: tem dois pesos e duas medidas – não ataca em aviões mas é perigoso nos teatros; não ataca nos comboios mas infecta os mesmos trabalhadores que neles se deslocam – mas só nos tempos de descanso no seu local de trabalho! E suspeita-se que não atacará também em alguns eventos públicos municipais que beneficiarão da maior fatia dos 30 milhões de apoio governamental para a cultura (em detrimento de outros programas para a cultura, quando este sector precisa urgentemente de apoio!), mas já noutros encontros e festivais culturais … pondere-se bem, é bem provável que a sua virulência seja acentuada.

Avante!: Se não paga imposto, claramente não é um Festival de Verão

Tal como no 1º de Maio, foi o PS e o Governo que decidiram que em Portugal fazia realmente sentido a máxima socialista/comunista de a lei e o sacrifício para muitos, os privilégios só para os nossos! A argumentação do PS e do Governo para apoiar a Festa do Avante, apesar de proibir todos os festivais de verão, é claramente hilariante a todos os níveis. É também a confirmação de que em Portugal sempre fomos um país de dois níveis: os privilegiados e todos os outros. O Governo e o PS afirmam que a Festa do Avante não é um Festival de Verão e por isso não fica proibido como todos os restantes. Têm toda a razão! O Avante não paga impostos sobre as operações comerciais e os rendimentos obtidos há já muitos anos! Todos nós sabemos disso, todos nós vivemos com isso, mas ninguém ou quase ninguém se incomoda com isso.

Muro ou moinho de vento?

Encare esta crise como uma oportunidade! Uma oportunidade para mudar a sua vida ou uma oportunidade para descobrir que já está no caminho certo! Não importa, o que importa é que tente fazer ou ser aquilo que verdadeiramente o faz feliz!
Comentários