“As Forças Armadas no século XXI”. Veja o debate da SEDES com o Almirante Silva Ribeiro

O Almirante António Silva Ribeiro foi o orador do tema ‘Forças Armadas’ que a Associação para o Desenvolvimento Económico (SEDES) debateu esta semana, na sede da SEDES em Lisboa no âmbito dos eventos ‘Fim-de-tarde com quem sabe na SEDES’. O ‘Jornal Económico’ é media partner nesta iniciativa.

Relacionadas

“Baixas remunerações afastam jovens da carreira militar”, admite Almirante Silva Ribeiro

Forças Armadas precisam de 30 mil a 32 mil militares, mas só têm cerca de 27 mil porque as condições de entrada não atraem os jovens, comentou o Almirante António Silva Ribeiro. Nos três ramos das Forças Armadas, o desgaste dos efetivos é notório porque são mobilizados permanentemente devido à falta de militares, alertou o Almirante ontem à tarde em Lisboa, na sede da SEDES, durante a apresentação do tema “As Forças Armadas no século XXI: Perspetiva Estratégica”.

Almirante António Silva Ribeiro debate Forças Armadas na SEDES

O próximo debate da SEDES será realizado esta segunda-feira, 13 de maio, e terá o Jornal Económico como ‘media partner’.
Recomendadas

“China? Não se sabe quando é que as fábricas voltam à produção a 100%”

Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees, esteve na última edição do ‘Mercados em Ação’, vê paralelo na forma como os mercados reagem ao coronavírus tal como aconteceu com a crise do SARS. “Não sabemos quantas fábricas estão afetadas”, realça Nuno Sousa Pereira.

“Aumento salarial? Menos de 2,7% é inaceitável”, avisa secretário-geral da UGT

Sobre o acordo de concertação social, Carlos Silva diz nesta entrevista à Antena 1 e Jornal de Negócios que a UGT não abdica, nem cede, na existência do patamar mínimo de 2,7% de aumento salarial. Sendo que, se a UGT não estiver disponível para fazer acordos, dificilmente haverá um acordo de concertação social.

“Patrões conseguiram o que queriam no OE, vamos negociar o quê?”, lamenta secretário-geral da UGT

Se os patrões não cederem em matérias como salários, férias e contratação coletiva, a UGT vai defender a revisão do Código de Trabalho e “deixar cair a caducidade e introduzir o princípio do tratamento mais favorável”, referiu Carlos Silva, secretário-geral da UGT, em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios.
Comentários