As jogadas, as coligações e as máscaras

Constato que existe um “nervosismo miudinho”, que tomou conta sobretudo dos “teóricos” e daqueles que esperavam que fizéssemos parte da tripulação de uma nau até ao cabo das tormentas. É melhor, estimados dirigentes e colegas da politiqueira tradicional ou da mais ou menos partidarite neomoderna, mostrarem mais trabalho no terreno e menos texto de têmpera fantasiosa.

Há quem julgue que andamos, constantemente, de jogada em jogada. Mas também há coincidências e há factos perfeitamente naturais e corriqueiros. O que não quererá dizer que também não poderá haver a conjugação de artifícios ou artificialidades.

O caso da saída do JPP do grupo Confiança, no Funchal, é um efeito de uma conjugação de causas, já explicado publicamente. Quando se perde a confiança, perde-se o rumo. Independentemente dos seus autores.

Quando não se sabe o que se procura, dificilmente se entenderá o que encontra.

Na semana passada, vários autores da partidocracia local procuraram ver em dois títulos da imprensa local (o da saída do grupo Confiança, no Funchal, e o do investimento nos Reis Magos em parceria Governo/Câmara) como se de uma suposta coligação se tratasse, visando o JPP/PSD.

O caso da obra dos Reis Magos é fruto, concorde-se ou não com o modelo, de um trabalho autárquico com a entidade governamental, de diálogo, de relações institucionais entre pares.

Agora, ver nessa simbiose uma pretensa coligação de interesses ou uma jogada com o PSD foi, pelo menos para mim, motivo de risada estridente.

Anoto, apenas, esse registo e invoco-o – também porque vem sendo repetido pela nova conclave socialista – para memória futura. Nada de empoeirar o caminho.

Constato que existe um “nervosismo miudinho”, que tomou conta sobretudo dos “teóricos” e daqueles que esperavam que fizéssemos parte da tripulação de uma nau até ao cabo das tormentas. É melhor, estimados dirigentes e colegas da politiqueira tradicional ou da mais ou menos partidarite neomoderna, mostrarem mais trabalho no terreno e menos texto de têmpera fantasiosa.

Normalmente, e no espírito da velha filosofia socrática, podemos sempre invocar que “aquele que aponta a própria mão se dirige diretamente para si”. Os factos mais recentes do “assalto” ao erário público dos subsídios aéreos e parlamentares e da mudança de “trono” no reino bloquista poderão encaixar que nem uma luva na “política de mercearia”.

É sempre preferível, e para conforto da ansiedade temperamental, tomarem mais atenção ao juízo dos cidadãos, do que às manchetes da imprensa escrita.

Erasmo de Roterdão, no século XV, deixou-nos um registo memorável, dos cenários, das “loucuras” e das máscaras: “Toda a vida dos mortais não passa de uma comédia, na qual todos procedem conforme a máscara que usam, todos representam o seu papel, até que o contra-regra os mande sair de cena”.

Recomendadas

CDS quer estatuto de Ultraperiferia na União Europeia

Fernanda Cardoso, do PSD, diz que o projeto apresentado na Assembleia Legislativa da autoria do CDS, não traz “nada de novo” e que se limita a ser “um decalque” da Declaração Final da Conferência dos Presidentes das RUP, que se reuniram em novembro do ano passado.

Fundos europeus não são um “eldorado”, diz Raquel Coelho

Já José Manuel Rodrigues, diz que é inegável afirmar que “vamos continuar a precisar como de pão para a boca” dos fundos da União Europeia.

Madeira vai promover evento de moda com 10 estilistas na Festa da Flor

O evento vai realizar-se a 11 de maio na Praça do Povo e tem como objectivo desenvolver uma colecção inspirada em flores e insere-se numa estratégia de renovação e enriquecimentos dos cartazes turísticos da Madeira.
Comentários