PremiumEutanásia: As razões profundas de um não convicto

Enquanto cidadão do mundo, não posso ignorar que dos 193 países que integram a ONU, apenas seis, sim seis, resolveram legalizar a eutanásia. Só há seis países esclarecidos em 193? Devemos ignorar os resultados dramáticos da legalização nesses seis países, e achar que em Portugal tudo vai ser diferente?

A abordagem social da eutanásia é um processo em curso, muito longe de estar fechado. Debate após debate, conversa após conversa, opinião após opinião, só podemos concluir que há uma enorme e perigosa confusão de conceitos, desinformação generalizada e infinitamente mais dúvidas que certezas. É este o ambiente certo para legislar? Haverá legitimidade política neste momento para legislar? Que impacto social teremos se tivermos a legalização da eutanásia? Que aconteceu nos países que legalizaram a eutanásia?
Proponho, por isso, uma análise em diferentes planos, para uma visão global das consequências da legalização da eutanásia. A metodologia que segui para fundamentar a minha posição sobre o assunto.

O plano da legitimidade política
Em final de Maio de 2018, o Parlamento passou por esta discussão e por este processo legislativo, tendo a legalização da eutanásia sido chumbada. Portanto, há menos de dois anos o legislador decidiu sobre a matéria, rejeitando a eutanásia. Ao forçar nova discussão sobre a mesma matéria e novo processo legislativo nesta altura, desrespeita-se flagrantemente o princípio da estabilidade legislativa em nome da agenda ideológica. Tentam rever precipitadamente legislação de que não gostam, apenas porque creem conseguir uma maioria aritmética na nova configuração parlamentar, configuração essa que resulta de um acto eleitoral que não discutiu a eutanásia em momento algum.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Andrew Cuomo: Nova-iorquino fora de horas

A devoção do governador do Estado de Nova Iorque parece ser a “sua” cidade. Mas a forma como está a defender os cidadãos nestes tempos tremendamente exigentes de combate à pandemia da Covid-19 podem colocar o político de 62 anos na linha da frente do Partido Democrata. Um caso a seguir nos próximos meses.

São Tomé e Príncipe: Última fronteira da Covid-19 na lusofonia

Os guias turísticos dizem que é um país de visita obrigatória e os boletins de saúde concordam: é o único da CPLP e um dos raros do mundo onde não há registo da pandemia. O petróleo continua a ser a promessa de uma solução para os problemas. Enquanto não chega, há quem venda outra felicidade: as igrejas evangélicas surgem por todo o lado.

A (outra) hora da Europa?

Ao longo do tempo, cada nação europeia pensou-se como “Europa que baste”, ou humanidade que baste, no pior dos casos. A identidade europeia foi sempre utopia, mas é raro as utopias serem inúteis.
Comentários