ASF esclarece que não se opôs à venda do GNB porque Lindberg não seria o beneficiário final

Supervisor de seguros português reitera que apenas se pronunciou sobre idoneidade e capacidade de assegurar gestão sã da GNB pelo fundo Apax, no qual não detetou ligações com o empresário condenado por corrupção nos EUA.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) veio esclarecer em comunicado que apenas se pronunciou sobre a idoneidade dos acionistas interessados na compra do GNB – Companhia de Seguros de Vida, cuja venda foi notícia esta segunda-feira no Público pelos valores a que foi concretizada.

A ASF retifica que “em momento algum se pronunciou sobre a operação de venda, mas apenas sobre a idoneidade e a capacidade dos novos acionistas para assegurar a gestão sã e prudente da GNB”, reiterando que o empresário condenado por corrupção nos EUA referido na peça, Greg Lindberg, não foi o beneficiário final da operação.

A ASF esclarece que, tendo consultado supervisores de seguros em diversos países onde o grupo controlado por Lindberg atuava, “em particular os supervisores de Malta, Itália, Holanda, Reino Unido, Luxemburgo, Bermuda, Carolina do Norte e Michigan”, ficou a saber de várias acusações que o empresário enfrentava.

No entanto, o pedido de avaliação de idoneidade alterou-se quando “os requerentes informaram que um fundo gerido pela Apax Partners LLP pretendia adquirir a GBIG Portugal, S.A., e, consequentemente, Greg Evan Lindberg não seria o beneficiário último da operação, nem a estrutura acionista prevista para a GNB – Companhia de Seguros de Vida, S.A. seria aquela que tinha sido apresentada no processo inicial”.

Assim, a autoridade de supervisão afirma não se ter oposto à operação por não ter conseguido apurar, em múltiplas diligências efetuadas, qualquer ligação entre Lindberg e o grupo que adquiriu a GNB, agora designada GamaLife.

Recorde-se que o Público noticiou esta segunda-feira a venda da seguradora com um desconto de quase 70%, o que gerou uma perda de 268,2 milhões de euros, valor “compensado” pelo Fundo de Resolução, depois do pedido de António Ramalho, o presidente do Novo Banco, de nova injeção de dinheiros públicos.

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco: Marcelo não comenta venda de seguradora com 70% de desconto e diz que vai esperar pela auditoria

O Chefe de Estado disse que vai esperar pela auditoria à gestão do banco liderado por António Ramalho, pedida pelo Governo à Deloitte, e que as consequências dos negócios ruinosos do Novo Banco só poderão ser determinadas depois de conhecidos os resultados da auditoria.

Catarina Martins pede demissão da comissão diretiva do Fundo de Resolução e da administração do Novo Banco

A proposta da líder do Bloco de Esquerda surge depois de o jornal “Público” ter noticiado que o Novo Banco vendeu a seguradora GNB Vida com 70% de desconto a um gestor condenado por corrupção. Catarina Martins lembra que o Estado tem participação no Novo Banco e “não pode ficar parado a ver o assalto a acontecer”.

Novo Banco diz que comprador da GNB teve idoneidade verificada pelo regulador

O Novo Banco garante que o comprador da seguradora GNB “teve a idoneidade verificada pelo regulador de seguros” e que a venda foi feita com acordo com Fundo de Resolução.

Novo Banco vendeu seguradora com desconto de 70% ‘coberto’ pela ajuda do Estado

O Novo Banco vendeu em outubro uma seguradora com desconto de quase 70% a fundos geridos pela Apax, operação que gerou uma perda de 268,2 milhões e foi compensada com verba do Fundo de Resolução, noticia o jornal Público.
Recomendadas

Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em créditos problemáticos até fim do ano

O Novo Banco quer vender 1.200 milhões de euros em crédito malparado até ao final do ano, segundo disse o presidente executivo, António Ramalho, à agência de informação financeira Bloomberg.

Comissão Europeia avança com plano de ação para mercado de capitais único

A Comissão Europeia pretende assim dotar as instituições financeiras de capacidade de apoio aos tecidos empresariais nacionais e à população em geral, ao promover um mercado de maior dimensão e integrando todos os estados-membros.

Prolongado regime especial para pagamento de seguros

Este regime, que permite alterações aos pagamentos mas também o alargamento de seguros obrigatórios, foi alargado pelo Governo, tal como foi estendido o prazo das moratórias, até 30 de setembro de 2021.
Comentários