PremiumAsiáticos dominam apostas desportivas em Portugal

BetClic reconhece preocupação do setor com apostas estrangeiras e que estas podem levantar alarme sobre resultados combinados. Contudo, a empresa realça que não permite apostas a apostadores que não estejam registados em Portugal.

As competições de futebol em Portugal têm cativado os apostadores da Ásia a investir o seu dinheiro nas competições portuguesas. Um fenómeno que pode vir a crescer no futuro, tal como explica ao Jornal Económico, Miguel Domingues, diretor de Comunicação da Betclic Portugal, plataforma que, no entanto, não permite apostas a apostadores que não estejam registados em Portugal.

Na última época foram gastos 10,6 mil milhões em apostas de utilizadores asiáticos nas competições de futebol em Portugal, 6,5 mil milhões dos quais de apostadores chineses. A que se deve o volume financeiro de apostas daquele mercado?
Sentimos que nos últimos anos o aumento do número de jogadores portugueses de renome a atuar no estrangeiro, bem como o crescimento da liga portuguesa, contribuíram para o aumento de interesse em Portugal e, por conseguinte, no crescimento do volume de apostas.

Jogadores como Cristiano Ronaldo, Bernardo Silva e João Cancelo, entre outros, podem influenciar a perceção que se tem lá fora dos clubes portugueses. No caso dos apostadores chineses, também importa realçar que há cerca de dois anos, a segunda liga chamava-se Ledman Pro, um patrocinador chinês que poderá ter contribuído para a mediatização das competições portuguesas entre os apostadores chineses.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fisco investiga Federação de Futebol e Fernando Santos

Autoridade Tributária estará a debruçar-se sobre contratos em diversas áreas, o que inclui contratos com fornecedores, mas também de licenciamento e imagem de diversos jogos das principais equipas.

“Desiludido”. Manchester City vai recorrer para o TAS

“O Manchester City está desiludido, mas não surpreendido com a decisão da Câmara Adjudicatória do Órgão de Controlo Financeiro (CFCB) da UEFA. O clube soube, desde o início, da necessidade de procurar um órgão independente que julgasse imparcialmente as provas irrefutáveis a seu favor”, escreveram os ‘citizens’, em comunicado divulgado no site oficial.

Manchester City: clube mais gastador da década investiu mil milhões para montar atual plantel

Os ‘citizens’ precisaram de investir 1.014 milhões de euros em contratações de atletas para “montar” o plantel atual, de acordo com as contas feitas pelo Observatório do Futebol – CIES aos clubes das cinco maiores ligas europeias
Comentários