AskBlue duplica no ano passado e atinge receitas de 4 milhões de euros

Com o arranque ultrapassado com sucesso, a AskBlue avança agora para uma outra etapa de crescimento e de alargamento das áreas de operação. Satisfeita com o ritmo de crescimento, a consultora também coloca na agenda a internacionalização.

As receitas da consultora tecnológica e de negócio AskBlue quase duplicaram, no ano passado face a 2015, atingindo quatro milhões de euros, revelou ao Jornal Económico o CEO da empresa, Pedro Nicolau.

Pedro Nicolau refere que estes resultados traduzem um “forte crescimento” da operação.

Em 2016, destacou-se a parceria com o Banco CTT. O envolvimento da AskBlue passou por serviços de consultoria de negócio e operacional, mas também por consultoria em sistemas de informação para assegurar o funcionamento, e ainda, operacionalização de processos de backoffice.

Já sobre 2017, o responsável avança que têm vindo a crescer de forma consolidada e a alargar a operação. “Prevemos a continuação da tendência de crescimento em volume de negócios em todas as ofertas”. Como resultado, acrescenta, a equipa de consultores, com perfil maioritariamente sénior, cresceu para um total de 120 profissionais.

Ainda sobre o futuro a curto prazo, Pedro Nicolau esclarece que a Askblue não nasceu apenas para Portugal. “É natural que, fruto da evolução da oferta e dos clientes com que temos vindo a trabalhar, venham a surgir novas oportunidades de crescimento e de projetos, também em mercados internacionais. Esse é claramente um objetivo para o ano em curso e também para 2018”, reforça.

A Askblue nasceu em 2013 com oferta em três áreas: Negócio, TI e Outsourcing Especializado. Estas três áreas foram delineadas logo desde o início da atividade da empresa e são lideradas por cada um dos restantes sócios fundadores: a área de negócio é liderada pela Sofia Bastos Santos, a de TI pela Ana Rosado e o Outsourcing Especializado pelo Rui Couto. A justificar esta opção, o responsável salienta que são áreas complementares, com sinergias entre si. “Podemos iniciar a relação com um cliente pela área de negócio, por exemplo num projeto de diagnóstico de conformidade com a nova regulamentação de proteção de dados e, numa segunda fase, apoiar o cliente com projetos de transformação tecnológica, exigindo o envolvimento das áreas de TI e Outsourcing”, esclarece.

Ler mais
Recomendadas

PremiumOrçamento ignora mercados de capitais, alertam empresas e investidores

Governo prometeu pôr poupanças dos portugueses ao serviço da economia nacional, mas acabou por não incluir nenhuma medida de apoio ao mercado de capitais na proposta entregue ao Parlamento.

PremiumRoger Tamraz desiste do EuroBic se não ficar maioritário

Acordo com Isabel dos Santos pode cair se investidor libanês não chegar a acordo com outros acionistas do EuroBic.

PremiumIsabel dos Santos contrata Marco António Costa

Ex-secretário de Estado é o advogado que representa a empresária angolana no processo de venda da sua posição no EuroBic a empresário libanês. Advogado tem mantido contactos com o supervisor.
Comentários